13.12.14

Capítulo Doze




JOE NÃO se importou muito com o jeito como o chef Renard se mostrou ansioso pelo prato de Demi. Ele sabia que ela sabia cozinhar, porém Joe era homem e percebia que o outro estava flertando com Demi, e talvez arrependido por abrir mão dela do jeito que havia feito. Ele esperava que o outro continuasse arrependido.
Demi agia como se nada a estivesse incomodando, mas Joe sentira a palma suada dela quando entraram na sala de espera depois que ela vira seu antigo amante pela primeira vez. Sinceramente, Joe não admirava o chef Renard. Ele estivera no restaurante dele em Paris, e o pai dele, Paul, cozinhava muito melhor do que Jean-Luc.
– O que você preparou para nós? – perguntou Fatima.
Joe descreveu o prato dele e então recuou para lhes dar espaço para experimentá-lo. Ele viu os olhos do outro chef se arregalarem quando o tempero que usou lhe atingiu o paladar. Ele sabia que o outro estava em sua mão. Que ele, Joe, havia criado um prato capaz de surpreender até o sujeito mais experiente. E, naquele instante, Joe sabia que desejava superar o chef Renard. Para provar para Demi que ele era um homem melhor em todos os sentidos.
Mas ele não poderia fazê-lo sendo Joseph Stephens. Joseph Jonas, no entanto, cozinhava no mesmo nível do chef Renard.
– Muito bom. O sabor me é familiar – disse Renard.
Joe apenas deu de ombros.
– O chef Stephens é de Nova Orleans, e você provavelmente está provando os temperos de lá – sugeriu Fatima. – Muito bom.
Chef  Renard lhe lançou um olhar zombeteiro quando eles seguiram para a bancada seguinte, e Joe se perguntou se ele finalmente havia encontrado um prato que iria entregá-lo. Mas ele sabia que estava cansado de esconder coisas. Queria abrir o jogo com Demi e com o programa, assim não iria se sentir um mentiroso e trapaceiro.
Ele estava pronto para reivindicar seu legado agora. Sabia que poderia conviver com a reputação de sua família, vencendo ou não o concurso.
Os motivos que o haviam levado até ali, a necessidade de mostrar que estava pronto para assumir o papel de chef principal, haviam mitigado. Nas últimas três semanas, ele fizera pratos de novas maneiras e aprendera muito sobre si como chef. Estava orgulhoso da comida que havia preparado.
Fatima, chef Renard e os outros jurados retornaram ao centro da sala, e quando olharam para as estações, Joe não pôde evitar senão notar que Renard estava evitando fazer contato visual com Demi.
– Tudo bem, corta. Jurados, vocês podem deliberar sobre sua decisão. Chefs, limpem suas estações.
Todos começaram a trabalhar, e Joe limpou tudo rapidamente e correu para encontrar Demi. Ele tinha algumas perguntas para as quais desejava respostas. Nada menos do que o que havia acontecido exatamente para que as coisas entre ela e o outro chef terminassem.
– Nick, de quanto tempo será o intervalo?
– Quinze minutos. Os fumantes seguiram lá para fora – disse Nick.
– Vou levar Demi para o saguão para conversarmos – disse Joe. – Tudo bem?
– Sim, mas estejam de volta no horário – advertiu Nick.
– Voltaremos.
– “Voltaremos” o quê? – perguntou Demi de detrás dele.
– Você e eu voltaremos a tempo – disse Joe, pegando a mão dela e guiando-a para fora da cozinha. – Temos 15 minutos, Garota do Cupcake, e eu quero algumas respostas – disse ele.
– Respostas para o quê? – perguntou ela. – Acho que já expliquei o bastante sobre meu passado por hoje. Para ser honesta, estou pronta para esquecê-lo de fato. Não consigo acreditar que o chef Renard vai ficar aqui durante a semana toda.
Joe esperou até que estivessem a sós na escada rolante que levava ao saguão.
– O que exatamente aconteceu quando você e Renard romperam?
– Que diferença isso faz? – perguntou ela quando ele a guiou para um banco acolchoado escondido em uma alcova particular.
– Acho que ele se arrepende. Foi você quem terminou? – perguntou ele quando estavam sentados. Joe não conseguia suportar a ideia de ela ter rompido e agora Renard tentar reconquistá-la.
Ela mordiscou o lábio e o encarou com um olhar inescrutável. Estava usando o dólmã e, por causa das câmeras, tinha maquiagem pesada no rosto, mas por baixo daquilo tudo estava a mulher que ele conhecia muito bem. E ele odiava vê-la parecendo tão insegura.
– Que diferença isso faz? – perguntou ela.
– Faz diferença porque… – Ele odiava aquela sensação, aquelas emoções que o faziam se sentir vulnerável e dolorido por dentro. Queria simplesmente tomá-la nos braços e nunca mais soltá-la. – Demi, ele estava olhando para você como se estivesse interessado em reavivar o romance de vocês. Então quero saber se esta é uma possibilidade…?
– Não, Joe – respondeu ela. – Não há nenhuma chance de isto acontecer.
– Por que não? – perguntou ele. – Se eu perdesse você… Bem, eu sempre tentaria recuperá-la.
– Mesmo? – perguntou ela, olhando para ele com uma expressão muito terna desta vez, e ele se perguntou se ela havia se apaixonado por ele também. Joe sabia que ela se importava com ele. Ela admitira isto apesar de seu medo de ser enganada. Ela começara a acreditar nele.
– Sim – disse ele. – Você realmente duvidava disso?
– Tudo o que sei é o que estou sentindo – disse ela. – E eu sei que você se referiu a nós como um casal, mas ainda não tenho certeza se acredito que isto possa durar. Então quando você diz coisas assim, eu fico um pouco surpresa.
– Por quê? Você precisa saber o quanto é adorável. Será que eu não fiz o suficiente para mostrar isso a você?
– Você fez mais do que isso, mas o problema é comigo – disse ela. Havia uma prudência no tom de Demi que dizia a ele que ela estava cansada de seu passado e do quanto aquilo devia representar um fardo para ela continuar a carregá-lo para lá e para cá. Ele queria tirar aquele peso dela, mas se perguntava se realmente era o homem que poderia fazê-lo.
Um lado dele sentia que ela usava o passado como escudo para impedi-lo de se aproximar demais e para se impedir de se apaixonar por ele.
– Talvez seja hora de você esquecer. Só porque teve alguns relacionamentos ruins…
– É mais do que isso, Joe. Você me perguntou o que aconteceu com Jean-Luc, e a verdade é que ele se interessou por outra mulher. Eu cheguei para trabalhar um dia e os flagrei juntos. Foi isso, ele nunca disse uma palavra para mim além de que chefs tinham um apetite enorme. Eu pedi demissão e fui embora.
– Sinto muito – disse ele.
– Não é sua culpa – falou ela, lembrando-o disto.
Mas ele conhecia Demi. A Demi orgulhosa, durona, confiante que havia sido magoada em um incidente. Ela estava lhe dizendo o tempo todo que era complicado confiar nas pessoas, mas até agora ele não tinha percebido o quão complicado era. Tinha pensado que poderia simplesmente remendar a dor dela, mostrando que homens de verdade eram carinhosos e gentis. Mas agora ele enxergava que o tipo de traição que ela havia experimentado era, bem…
O passado dela e a mentira dele eram praticamente almas-gêmeas, e ele sabia, embora estivesse relutante em admiti-lo, que quando a verdade viesse à tona, e viria, Demi iria embora com a mesma segurança com que abandonara Jean-Luc Renard e Paris há tantos anos.
DEMI VENCEU o desafio-relâmpago, o que a deixou bastante satisfeita. Ela sabia que havia cozinhado bem, mas, mais do que isso, estava feliz por saber que o elogio de Jean-Luc não significara nada para ela. Não era como na época dolorosa em que eles eram amantes e ela aguardava por alguma palavra elogiosa da parte dele o tempo todo.
O fato de não ter esboçado qualquer reação mostrou a ela o quanto havia seguido sua vida. Embora estivesse acostumada a colocar o passado entre ela e Joe, sabia que havia superado aquilo e que existia apenas uma pessoa para a qual agradecer, e esta pessoa era seu amante atual.
O homem que tinha ficado em segundo lugar no desafio de hoje. Joe piscou para ela do outro lado do estúdio quando Demi foi anunciada vencedora, e ela soube que ele estava orgulhoso pela realização dela. O que ela gostava sobre Joe era da própria habilidade de elogiar sem sentir como se algo lhe tivesse sido roubado. Jean-Luc não era assim de jeito nenhum.
Todos foram informados de que Demi teria uma vantagem no desafio de eliminação no dia seguinte e foram enviados um a um para gravar os depoimentos diários sobre o dia e sobre a viagem a Nova York. Naquela noite, haveria um jantar coletivo no restaurante de Hamilton, Ramsfeld East, e Demi suspeitava que Liam estivesse correto quando dissera que o desafio do dia seguinte poderia ser lá.
Eles tiveram a tarde livre.
– Quer passear pela cidade? – perguntou Demi a Joe.
– É primeira vez que você me chama para sair em um encontro – disse ele.
– E será a última, a menos que você dê a resposta certa – advertiu ela.
– Então, sim, eu adoraria sair com você. Qual lugar você tinha em mente? – perguntou ele.
– Eu nunca estive no topo do Empire State Building – disse ela.
– Você não foi com sua mãe? – quis saber ele. Joe havia ido a todos os pontos turísticos há muito tempo, com seus pais e primos. E não ia ao Empire State desde seus 20 anos. Quando chegou lá, pensando em todos os lugares que poderia visitar, finalmente percebeu que retornar para Nova Orleans e cozinhar no Gastrophile era a única coisa que realmente desejava.
– Mamãe tinha medo de altura. Vovó e eu optamos por assistir a uma peça com ela em vez de subir. Mas se você topar… – Eu topo – disse ele. – Vamos.
Quando chegaram ao nível da rua, Joe fez sinal para um táxi e informou o destino ao motorista. Eles se sentaram no banco traseiro, com o sol de verão brilhando sobre ambos.
– Não consigo acreditar que você me derrotou hoje – disse Joe. – Acho que fazê-la relaxar foi uma boa estratégia para você.
– Parece que foi – disse ela, com um sorriso atrevido. – Para ser honesta, o relaxamento não foi realmente a coisa que me fez vencer hoje – falou, cheia de mistério.
– Eu quero saber o que é, mas vamos descer ao fim deste quarteirão – disse Joe.
O táxi parou, e Joe pagou pela corrida. Eles seguiram as placas até a cabine de ingressos e então tomaram o elevador para a plataforma de observação. Joe segurou a mão dela, percebendo que até mesmo fazer aquele tipo de coisa era divertido com Demi. Ele sabia que precisava parar de ignorar a verdade que precisava ser dita, mas não conseguia.
– Tudo bem, então conte-me o que fez você vencer hoje – disse ele depois de levá-la para um ponto afastado da maioria dos turistas.
– A verdade?
– Para você não tem que ser sempre a verdade?
– Sim, tem – respondeu ela. Então suspirou, e a brisa despenteou seu cabelo negro curto. – Foi saber que você era o homem que é… isso soa meio bobo, não é? Mas foi você e o jeito como você me fez sentir. Eu canalizei aquilo para a comida.
Ele estava feliz por ouvir aquilo, queria oferecer a ela o máximo possível, de modo que ela pudesse se lembrar dos bons momentos com ele quando a coisa inevitavelmente ruim viesse. As circunstâncias de hoje haviam feito Joe perceber que precisava dar um passo adiante antes que um chef que pudesse reconhecê-lo adentrasse por aquela porta, assim como aconteceu com o chef Renard e Demi.
– Você fez um bom trabalho com isso, ma chère.
– Fiz. No entanto, não quero conversar sobre o programa. Obrigada por ser tão aprobativo em relação a tudo. Foi legal olhar e saber que você estava me apoiando – falou ela. – Sem problemas.
Ela caminhou lentamente ao longo da grade e observou a cidade e além.
– É fácil esquecer que somos parte de algo tão grande. Tenho visto mais pessoas aqui hoje do que normalmente vejo na minha vizinhança durante um ano inteiro. Eu gosto da minha vidinha sossegada. Nova Orleans também é assim?
– O bairro French Quarter é movimentado o tempo inteiro. É um pouco como
Nova York, mas o Garden District… que é onde moro, é tranquilo como a vizinhança que você descreveu.
– Você acha que vai voltar lá quando o concurso acabar? – perguntou ela.
– Não sei – disse ele, mas a verdade era que sim. Joe tinha tantas ideias novas para o Gastrophile. Mas ele não podia compartilhá-las com Demi. E aquilo enfatizou o fato de que a coisa entre eles não era tão real quanto ele estava fingindo ser.
– Mesmo? – indagou ela. – Pensei que você teria alguma ideia sobre o que iria fazer a seguir.
Havia algo no tom dela que o incomodou. Era como se Demi estivesse questionando a honestidade dele, e, tudo bem, Joe sabia que não estava sendo sincero com ela. Sabia que tudo o que sentia e todas as suas preocupações resultavam inteiramente do fato de que, se estivesse sendo honesto, ele contaria a ela sobre o Gastrophile e pediria a ela para ir morar com ele.
Honestamente, Joe estava cansado de fugir.
– Desculpe, é só que você pode vender sua parte da Sweet Dreams e aí ambos estaríamos desempregados. Para onde isso iria nos levar?
Ela se afastou dele, e ele soube que havia dito a coisa errada.
– Acho que isso praticamente resume tudo. Por que você não disse simplesmente que, quando o programa terminasse, nós terminaríamos também?
– Porque eu não quero que este seja o caso – falou ele, sentindo-se acuado e sabendo que não podia culpar a ninguém, senão a si. Se fosse um sujeito diferente, não precisaria de elogios externos para saber que era bom no que fazia. Mas não era. E aquele programa tinha sido o único jeito de saber se estava à altura de seu pai, tios e avô como chef.
Ele queria fazer valer o nome deles, precisava saber que seu lugar na dinastia culinária havia sido conquistado, não dado, mas hoje, vendo a dor e decepção nos olhos de Demi, reconheceu que desistiria de tudo para encontrar um jeito de resolver as coisas com ela sem precisar revelar o que havia feito.
Mas ele era realista, e sabia que isso nunca aconteceria. Então precisava tomar uma decisão sobre o que dizer a ela, e sabia que quanto mais desnudasse sua alma agora, mais fácil seria para ela perdoá-lo depois.
– Eu quero que você venha para Nova Orleans comigo – disse ele. – Mas eu estava com medo de dizer isso.
DEMI SUPÔS que deveria ter cuidado quando pressionasse Joe. Ele sempre fazia o inesperado, e convidá-la para ir para Nova Orleans não era uma exceção. Embora ele não tivesse de fato a convidado para ir com ele. Ele apenas dissera que queria.
– Por que você simplesmente não pediu então? – Ela não via motivos para aquilo ser difícil para ele. Ele não tinha nada a perder. Ou não estava certo de que ela iria aceitá-lo. Ele não tinha uma cozinha para a qual retornar. – Ouça, se você está preocupado por não ter um emprego, isso não é grande coisa. Assim que o programa for ao ar, todo mundo no país vai estar batendo à sua porta.
Você vai poder escolher seu cargo.
Ele esticou o braço e roçou o polegar sobre o lábio inferior dela antes de beijá-la tão docemente que Demi se sentiu envolvida por uma emoção que tinha até medo de designar.
– Obrigado. Seu sacrifício significa muito para mim. Mas eu não acho que seja justo pedir a você para desistir da sua família e amigos para se mudar para o outro lado do país com um homem com quem você não tem compromisso.
– Eu compreendo. Mas saiba que, se você me chamasse para me mudar para Nova Orleans e desse uma chance de verdade ao nosso relacionamento, eu diria sim.
Ela se sentia mais corajosa do que havia se sentido nos últimos cinco anos.
Desde que conversara com Selena para iniciar a Sweet Dreams com ela. Fazia muito tempo desde que ousara arriscar alguma coisa, e era por isso que havia se inscrito no programa, e Joe era o desafio que a fazia se sentir viva. Joe e o modo como ele a inspirava a cozinhar melhor. Ela nunca havia se sentido tão ligada a outra pessoa.
Demi estava enrolando para dar nome à emoção porque, uma vez que a verbalizasse, ficaria simplesmente como sua mãe e sua avó. Ela havia se apaixonado por um homem, e não estava totalmente segura se o conhecia e se podia confiar nele.
– Então estou pedindo – disse ele. – Ao fim do concurso, você quer se mudar para Nova Orleans comigo?
Ela inspirou profundamente e prendeu o fôlego. Todas as decisões imprudentes que havia tomado na vida lampejaram diante de seus olhos, e ela soube que aquela era a mais sábia de todas.
– Sim – respondeu Demi. – Mas me reservo ao direito de mudar de ideia.
– Não – ele a desafiou, balançando a cabeça. – Não importa o que aconteça, você e eu fizemos um acordo de dar uma chance um ao outro. Eu pedi e foi difícil fazê-lo. Ou você está nessa comigo ou não está.
– Estou nessa – disse ela.
Ele sorriu e a beijou outra vez.
– Isto merece uma comemoração!
– Merece? – perguntou ela, mas então percebeu o que havia acabado de dizer. – Quero dizer, com certeza merece. O que devíamos fazer? Já estamos bem perto do topo do mundo.
– Eu conheço um lugar do qual acho que você vai gostar – disse ele. – Você confia em mim?
– Eu não estaria me mudando para Nova Orleans se não confiasse – falou ela. Ouvir aquelas palavras ditas em voz alta a aquecera. Ela se perguntava o quão diferente seria ir embora de casa desta vez. Quando se mudou para Paris, ficou com medo, mas também tão segura de si. Desta vez, ela não estava com medo ou tão segura. Apostava que sua avó diria que aquilo era a idade lhe dando alguma sabedoria.
– Tudo bem. Certo – disse ele, pegando a mão dela. – Siga-me.
Ela o seguiu até a loja de presentes, onde ele parou diante do balcão de joias e lhe comprou uma pulseira com um pingente no formato do Empire State.
– Isto é para você sempre se lembrar desta visita.
– Eu não acho que vá me esquecer tão cedo.
– Espero que não – disse ele.
Eles tomaram o elevador até o saguão, e Demi estava repleta de amor. Pronto, aí está, pensou ela.
– Joe? – chamou um homem, indo até eles.
Demi ouviu Joe xingar baixinho quando se virou. O sujeito que havia chamado parecia vagamente familiar para Demi. Era tão alto quanto Joe e tinha cabelo cacheado e grisalho. Os olhos tinham cor de chocolate, e ele os observava intensamente. A mulher ao lado do homem era levemente mais alta do que Demi e tinha cabelo castanho-avermelhado perfeitamente penteado. Usava um vestido de verão de grife e, em geral, parecia muito mais refinada do que Demi jamais poderia esperar ser.
– Você os conhece? – perguntou ela baixinho.
– Sim – disse ele. – São meus pais.
– Mãe, pai, esta é Demi. Demi, estes são minha mãe e meu pai.
– Olá – disse Demi, estendendo a mão para o casal, que retribuiu o cumprimento.
– Sou Paul – disse o pai dele. – Esta é Denise.
– É um prazer conhecê-los. Joe me contou algumas coisas sobre vocês – disse Demi.
– Que bom saber – observou Paul. – Não sabemos nada a seu respeito.
– Eu suspeito que isso seja porque não devemos telefonar para casa – disse Demi.
Joe parecia louco para fugir. Ela lhe deu um olhar do tipo “o que foi?”, o qual ele ignorou.
– Por que não? A maioria dos garotos que foge de suas responsabilidades não são proibidos de telefonar para casa – disse Denise. – A menos que o mundo tenha mudado.
– Do que vocês estão falando? – questionou Demi, largando a mão de Joe.
Claramente havia mais coisas acontecendo ali do que ela compreendia.
– Que nosso filho abandonou o emprego e está desaparecido há três meses – explicou Paul. – Nem uma única palavra nesse meio tempo.
Ela encarou Joe e exigiu saber:
– Do que eles estão falando? Pensei que você tivesse perdido seu emprego.
– Não exatamente – disse ele.
– Então qual é a história exata? – persistiu ela. – Porque a imagem que estou tendo é a de um homem que não tem sido honesto comigo.
– Desculpe, minha querida, como é o seu nome mesmo? – perguntou Denise.
– Demetria Lovato, sra. Stephens. Sou uma concorrente de um reality show de culinária do qual seu filho também está participando.
– Sra. quem?
Demi engoliu em seco quando a verdade se assentou lentamente. Aquilo não era uma mentira, mas algo muito maior. E aquele sujeito tinha sérios problemas se ele achava que… o que ele estava pensando?
– Esse não é seu sobrenome? Joe se apresentou como um chef desempregado de Nova Orleans… Joseph Stephens.
– Ele não está desempregado – disse Paul. – Ele foi promovido a chef principal do Gastrophile, e seu sobrenome é Jonas.
– Espere. Demi, eu… – começou Joe.
– Tarde demais! – vociferou Demi. – Fique aqui e explique tudo para seus pais. Eu vou voltar para o hotel. Vou te dar até a noite de hoje para informar aos jurados sobre sua dupla identidade.
– Demi!
– Não. Eu não quero ouvir mais nada de suas histórias cuidadosamente tramadas. Elas podem parecer divertidas para você, mas para alguém que acreditou nelas, posso lhe assegurar que não são.

*****

A Demi finalmente descobriu, e não de uma maneira muito boa, né?
Alguém já supunha isso? Bem, a fic tá acabando, o que vocês acham que vai acontecer?
E, ah, o blog tava dando erro ontem, eu não conseguia postar de jeito nenhum.. Sorry babys.
Ah, e eu to sentindo falta da Lav, alguém sabe cadê ela?
Respostas dos comentários do capítulo anterior aqui.
Beijos.

14 comentários:

  1. Amando muito!!! Nao acreidito q ela descobriu assim caraaa!!! Skdbsj joseph tomo no meio haixhs posta logo bjaoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lenaaaa, você por aqui ♥ Tomo gostoso né ajshia mais tarde eu posto, bjão

      Excluir
  2. Tadinha da Demi.... Essa daí coleciona decepções, espero que ela não volte pro outro la ne, pq ne....
    Mas acho que ela perdoa o idiota do Joseph, ele deveria desistir desse concurso.... e a Demi deveria ganhar, ele já provou a si o que buscava, então.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, o código pra deixar negrito
      Vc vai fazer o seguinte, a letra b entre colchetes escreve o texto aqui, e pra tirar ai vc tira o *** pro código ir entendeu? Da pra fazer o mesmo, pra deixar itálico, só trocar o b pela letra i e com link tb, mas eu n lembro o código

      Excluir
    2. SOCORRO N TA INDO KAHSKSJK, MAS clica aqui QUE ENSINA GIGI

      Excluir
    3. Garanto que ela não volta ajslas agora sobre o concurso, sem dicas bebê, e não me mate, uiahsasij
      AI, SOCORRO, AMEI AKJSHUAH

      Excluir
    4. Obg Lua aijsa amo quando me chamam de gigi, é fofo auisha
      Beijosss

      Excluir
  3. Ah meu Deus!! Finalmente a Demi descobriu a verdade, eu já estava agoniada com o Joe mentindo para ela.
    Eu não esperava que ela iria descobrir a verdade nesse capítulo, mas somente no próximo.
    Eu achei que a Demi iria descobrir a verdade com eles se encontrando com algum tio do Joe, mas não esperava que fosse com os pais dele. Não acertei, mas cheguei perto!
    Posta logo!! Você já sabe que eu to amando ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! DEMI TEM QUE PERDOAR O JOSEPH!!!!

      eu tinha esquecido isso.

      Excluir
    2. Aconteceu bem rápido né? Mas você chegou bem perto mesmo, aoisua.. Não posso dar dicas, sou má asniuasn vou postar agora, beijos <3

      Excluir
  4. To esperando um cap dona giovanna... vou dar na sua cara que vc vai girar uma semana ein... toma cuidado kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Auhausha você é muito revoltada, tenho medo ajsaoijs já vou postar, desculpinha, não me bata asjaois ♥

      Excluir
  5. Estava tudo tão perfeitoooo...... pq o cabeção do Joe não contou antes? O que vai acontecer agora? Posta logo por favorrrrrr.......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é :( vou postar amor, desculpa a demora ♥

      Excluir