19.1.15

Capítulo Vinte e Um




Eu me virei e encarei seus olhos, brilhantes mesmo no escuro. Meu coração estava tão acelerado que parecia duelar com a batida da música. Tudo em volta parecia ter sumido ante a realização de que Joe estava na minha frente, me segurando como se ele soubesse que eu precisava de apoio.
Minha voz estava tremendo. Estava tão nervosa que minha primeira pergunta foi totalmente idiota.
— O que houve com seus óculos?
— Lentes de contato.
— Oh.
Finalmente o choque começou a passar o suficiente para que eu pudesse perguntar algo com sentido.
— Tenho milhões de perguntas. Como chegou aqui? Como me achou? Como...
— Cale-se, Demi. — Sua boca tomou a minha abruptamente para interromper as perguntas. Ele me devorou completamente. Se eu tinha alguma dúvida sobre como as coisas estavam entre nós, o gosto possessivo de seu beijo, o jeito que pressionou todo o seu corpo contra o meu, aniquilou isso.
Sem dizer nada, seu beijo falava tudo. Sua língua contra a minha, os sons guturais que saiam de sua garganta, era a primeira vez desde que eu o tinha conhecido que realmente sentia nos meus ossos: ele era meu. Todas as reservas do passado, tudo que nos prendia tinha sumido.
Não sabia de toda a história de como de repente chegamos aqui, mas tinha certeza que não importava.
Meus dedos subiram a seu cabelo desesperadamente enquanto o puxava para mim.
Nunca mais me deixe, Joe.
Ainda estávamos no nosso mundo apesar das pessoas ao redor, esbarrando em nós. Ele respirou fundo, com a testa encostada na minha.
— Estive esperando que terminasse o livro para me aproximar.
Esse era o plano.
— Esteve em Nova York todo esse tempo?
— Já estava aqui esperando quando mandei o livro.
— Oh, meu Deus. — Enterrei o rosto em seu peito e senti o cheiro de seus cigarros. Olhei pra ele e tive que perguntar, apesar de ser óbvio.
— Terminou com ela?
Ele assentiu.
Continuei.
— Mas o fim... Disse que estava fazendo a coisa certa. Eu achei...
Ele me cortou com um beijo de novo e depois disse:
— Achei que você assumiria isso. Mas a coisa certa... Era admitir que eu não poderia amá-la totalmente se meu coração pertencia a outra pessoa. — Suas mãos pegaram meu rosto. — Meu coração voltou à vida quando te vi parada naquele jardim. Finalmente entendi. Só levou um tempo para clarear os pensamentos e finalmente perceber o que eu queria.
Tinha certeza que era uma longa história, que terminar as coisas com Blanda não tinha sido fácil. Sabia que ele a amou e ele me diria tudo algum dia, mas agora não era o momento.
Como se tivesse lido meus pensamentos, ele disse.
— Prometo que te contarei tudo que aconteceu, mas não agora, ok? Só quero estar com você.
— Ok.
Envolvi meus braços em seu pescoço e soltei um suspiro tão intenso, que parecia que tinha segurado por sete anos. Talvez tivesse.
Nos beijamos como se nossa vida dependesse disso, sem respirar, pelo menos durante três músicas. Tinha certeza que meus amigos tinham visto, mas não conseguia desviar o olhar tempo suficiente para ver suas reações. Talvez achassem que ele era um cara qualquer, e eu teria que explicar muita coisa no trabalho. Pressionei meu corpo contra o seu e senti sua ereção. Estávamos praticamente fazendo amor na pista de dança.
Era surreal.
Ele falou no meu ouvido, me fazendo tremer.
— Você me quer, Demi?
— Sim.
— Confia em mim?
— Confio.
— Eu preciso que você me deixe te ter agora.
— Aqui?
Ele sorriu na minha boca.
— Queria que terminasse de ler, que soubesse de tudo antes que eu me aproximasse. Estive andando por essa cidade duro como uma pedra por três dias apenas de pensar em estar com você. Seu apartamento é muito longe. Não posso esperar mais.
— Onde podemos ir? — Perguntei.
— Não importa, mas precisamos descobrir isso antes que eu te pegue aqui mesmo. — Ele pegou minha mão. — Vamos.
Nos demos as mãos e ele me guiou pela boate. Todos os pelos do meu corpo estavam eriçados. O que estávamos fazendo parecia perigoso. Joe era um homem agora. A última vez que transamos, ele era praticamente um menino. Tenho certeza que ele melhorou no tempo que estivemos separados, e não sabia o que esperar. Fazia muito tempo desde que estive com alguém. Ele seria capaz de ver isso.
Tinha uma porta que levava aos fundos, mas quando Joe tentou abrir, estava trancada. Ele me olhou com um sorriso que me deu calafrios.
— Confia em mim, né?
— Sim.
— Espere aqui.
Ele abriu uma porta que parecia uma saída de emergência e olhou lá fora antes de voltar.
— Quero que você escolha de acordo com seu desejo.
— Ok.
— Podemos ir até o hotel mais próximo, e fazer amor em uma cama ou...
— Ok. Ou?
— Ou podemos ir lá fora agora e foder forte naquele beco.
Os músculos das minhas pernas tremeram. Meu corpo já tinha escolhido por mim, eu queria me dar por inteiro a ele. Precisava disso tanto quanto ele. Queria forte, e queria agora.
— Quero a opção B.
— Boa escolha.
Ele abriu a porta e me levou para fora. O beco estava vazio. Uma leve neblina tomava o ar. Andamos um pouco até chegar a um local mais afastado.
— Ninguém nos verá aqui, — ele disse enquanto gentilmente me encostava na parede. — E eu estou morrendo de vontade de te tirar da tua zona de conforto.
Meu peito estava cheio de excitação por não saber exatamente o que ele faria comigo. Só sabia que não iria pará-lo. Iria participar de tudo feliz. Estava tremendo um pouco.
— Você está nervosa? Não tenha medo.
— Só excitada. Já tem um tempo.
— Seu corpo se lembrará.
Joe desceu a parte de cima do meu vestido para expor meus seios. Gentilmente puxou todo meu cabelo para trás antes de não tão gentilmente agarrar minha nuca. Era bom. Abaixou a boca para meu pescoço, me mordendo.
— Esse pescoço... Quase foi minha perdição... Minha coisa favorita no mundo todo. — Ele disse enquanto cheirava e grunhia, o som vibrando em minha pele. — Posso praticamente cheirar o quanto você me quer, Demi. — Deixou uma mão no meu pescoço e com a outra beliscou meu mamilo. — Olhe como estão duros. Acho que sempre vi seus mamilos duros como ferro perto de mim. E queria que você pudesse ver seu rosto. Mesmo no escuro, posso ver como suas bochechas estão rosadas. Me deixa excitado saber que tenho esse efeito sobre você. Eu quero que você saiba que eu nunca quis nada na vida como que você fosse minha. Vou fazer isso agora. Ok?
Assenti, tão excitada que mal conseguia respirar. Enterrei meus dedos nas ondas de seu cabelo enquanto ele me beijava. Saboreei seu gosto, e senti sua barba me arranhar. Não tinha nada delicado em estar com Joe, mesmo quando era suave. Lambi seu piercing labial e ele gemeu quando puxei de leve. Eu não tinha o suficiente de sua boca.
Queria ela sobre mim.
Minha excitação escorria por minhas pernas enquanto ele se ajoelhava no concreto para levantar meu vestido e lentamente abaixar minha calcinha. Ele olhou para mim e sorriu.
— Você não precisará disso. — Ele sorriu e acrescentou — pelo menos por uma semana. — Ele colocou minhas calcinhas em seu bolso.
Minhas pernas tremiam.
Joe se levantou lentamente, e a sequência de eventos que se seguiram parecia uma coreografia erótica bem ensaiada. Cada som, cada movimento era mais quente que o anterior: tirar seu cinto, abrir seu zíper, seus dentes rasgando o pacote de camisinha enquanto me olhava, o som do látex se espalhando em seu pau que estava molhado ao redor do piercing na ponta. Ele pulsava com necessidade.
Seus olhos pareciam ter escurecido. Sem tirar o jeans ele me levantou e envolveu minhas pernas em sua cintura, me apoiando na parede.
— Me avise se ficar muito intenso. — disse roucamente.
— Não vai...
Ah!
Ele entrou de uma vez. Moveu a mão para formar um escudo atrás da minha cabeça porque percebeu que quase causou uma concussão.
Sua boca ficou no meu pescoço, gentilmente me mordendo enquanto me fodia, o calor de seu pau se espalhando. Cada movimento era mais forte que o ultimo e cada vez mais rápido.
Ele grunhia alto cada vez que metia. Alguém iria ouvir. Era o sexo mais selvagem da minha vida, seguido da vez que ele me fodeu no chão do meu quarto sete anos atrás. Não fazia sexo há quase dois anos, e não sabia que meu corpo se acostumaria tão rápido apesar de ele ser grande. Acho que estive molhada e pronta para ele desde o momento que o vi no jardim.
Ele continuou me fodendo, raivoso e desenfreado.
— Ninguém mais deveria ter isso além de mim. — Ele disse contra meu pescoço. Entrou fundo. — Eu te deixei. — Mais fundo. — Te deixei ir.
Comecei a mover meus quadris, seguindo seu movimento.
— Então me tome de volta. Me fode mais forte.
Minhas palavras chegaram nele, e ele aceitou o desafio. Mudou de posição de forma que agora suas costas estavam na parede, e ele não tinha mais que proteger minha cabeça. Reposicionou minhas pernas em sua cintura e colocou uma mão no meu pescoço enquanto a outra me segurava. Olhou nos meus olhos enquanto se movia, enquanto me sufocava levemente, apenas para dar prazer. Saber o quanto isso o excitava me deixava louca.
Felizmente ninguém apareceu. Ainda estávamos sozinhos na neblina. O único som era da junção de nossa pele, o seu cinto solto e nossa respiração, o que parecia estar no mesmo ritmo.
Levantei sua camisa pela metade para olhar seu abdômen. Estava mais duro do que eu me lembrava e parecia ter sido talhado em pedra.
Queria que estivéssemos pele contra pele, mas ficar totalmente nua era perigoso aqui.
— Não se preocupe. Mais tarde tiraremos tudo. — Ele disse. —
Nós faremos tudo hoje.
Um orgasmo começou a tomar conta de mim. Eu não precisava dizer nada. Me maravilhou o quanto ele conhecia meu corpo.
— Você está gozando, — ele disse. — Eu me lembro da sensação. Olha pra mim.
Ele segurou meu pescoço e olhou nos meus olhos enquanto me fodia o mais forte que conseguiu até que tremeu.
Levou vários minutos pra minha respiração normalizar. Ele ainda segurava meu corpo mole enquanto beijava meu pescoço.
— Eu te amo, Demi.
Eu o amava tanto que nem conseguia dizer. Tantos sentimentos estavam na superfície, mas o medo tomou conta.
— Não me deixe de novo, Joe. Não volte pra ela, — eu disse.
Ele me segurou forte.
— Não vou, baby, — ele disse, levantando meu rosto para olhá-lo.
— Olhe para mim. Não precisa mais se preocupar com isso. Não vou a lugar nenhum. Sei que eu preciso te provar isso, e eu vou.
Ele me colocou no chão e arrumou as calças antes de me levantar de novo. Carregou-me até a calçada mais perto onde pegamos um taxi.
Ainda parecia um sonho.
No banco traseiro, encostei a cabeça em seu peito. Seu coração batia forte na minha orelha enquanto ele acariciava meu cabelo todo caminho até meu prédio.
Quando entramos no edifício, suas mãos estavam nos meus ombros enquanto ele beijava minha nuca todo o caminho até meu apartamento. Me atrapalhei com as chaves e uma vez que entramos, tive a urgência de fazer algo que nunca tinha feito antes.
O encostei na parede mais próxima e levantei sua camisa. Seu olhar era uma mistura de fome, choque e divertimento ante minha coragem.
Minha língua circulou o piercing em seu mamilo e lambeu cada músculo do seu peito até o abdômen. Me ajoelhei, e quando ele se deu conta do que eu ia fazer, sua respiração acelerou.
— Caralho, — ele disse roucamente. — Isso realmente está acontecendo?
Não perdi tempo em tirar o seu cinto e jogá-lo no chão. Tirei sua cueca e fiquei maravilhada com seu pau, seu tamanho, o calor e o brilho do piercing na ponta. Fantasiei em chupá-lo tantas vezes porque foi algo que nunca fizemos.
Ele pegou meu cabelo.
— Não posso dizer quantas vezes sonhei em foder essa boca linda.
Tem certeza que você quer isso?
Ao invés de responder, passei a língua pelo seu piercing e saboreei seu gosto salgado, enquanto acariciava o resto. Com cada
bombada, cada lambida, ele ficava mais molhado.
Seu abdômen contraiu, e ele respirava com dificuldade. — Merda.
Isso é muita provocação.
Parei e lambi os lábios enquanto o olhava. Ele fechou os olhos em resposta. Joe era tão controlado, mas agora estava entregue, e isso me excitava.
Seus olhos ainda estavam fechados quando o enfiei até o fundo da garganta pela primeira vez. Os sons de prazer que ele emitia eram tão sexy e me encorajavam a tomá-lo mais rápido e mais fundo. Amava a sensação dele preenchendo minha boca. Não poderia ter o bastante.
Estava tão molhada que gozaria se ele me tocasse.
Ele enfiou as unhas no meu cabelo e me puxou.
— Pare. Você vai me fazer gozar e quero gozar dentro de você.
O chupei mais forte.
— Não. — Eu disse, querendo que ele gozasse na minha boca.
Sua respiração estava irregular.
— Você está tomando pílula?
Assenti.
— Tomo há anos. Regula meu ciclo.
Ele saiu da minha boca.
— Levante e se vire.
Meu coração estava acelerado enquanto ele tirava meu vestido.
Pegou meus quadris e se enterrou em mim. Sem a camisinha, o calor e a umidade de sua pele dentro de mim, e a sensação do seu piercing eram quase mais do que eu conseguia aguentar. Tudo estava duplicado.
Suas mãos agarraram minha bunda enquanto ele me fodia.
Conseguia ouvir minha excitação enquanto ele se mexia. Estava pronta para gozar a qualquer momento, tão excitada depois de chupá-lo e pelo fato de ele me foder sem camisinha.
— Nunca mais conseguirei usar camisinha com você. — Ele falou.
— Isso é tão bom.
Eu estava começando a gozar.
— Goza dentro de mim, agora.
Ele meteu tão forte, que eu tinha certeza que teria hematomas amanhã.
— Merda... Demi... Oh... — Ele continuou se mexendo até que o êxtase passou, e depois continuou metendo devagar por um tempo.
Joe finalmente saiu de mim e me virou para me beijar. Ele riu.
— Quase não conseguimos passar pela porta da frente. Você se deu conta disso?
— Acho que estou pronta de novo.
— Ótimo, porque nem estou perto de terminar com você. — Ele disse, me arrastando para o quarto, enquanto suas calças caiam soltas em seu quadril.
Quatro velas estavam acesas a nossa volta enquanto ficávamos sentados em minha cama, às 4h da manhã, nos dando sorvete na boca.
— Então, como sabia onde me achar hoje à noite?
— Bem, quando você me mandou a mensagem dizendo que tinha terminado, estava sentado na Starbucks na esquina do seu apartamento. Vim para cá achando que seria onde você estaria. Queria ir até você e te surpreender. Eu te esperei nas escadas. Essa... Pessoa...
Que disse ser sua fada madrinha veio até mim e disse “Joe, certo?
Reconheceria você em qualquer lugar pela descrição que Demi me deu. Sabia que viria atrás dela, seu burro idiota”.
— Sério? — Comecei a rir. — É a Sully. Ela é como minha fada madrinha.
— Bem, você sabe que sua fada madrinha tem um pau maior que o meu né?
— Sim, eu sei. Nós não falamos sobre isso.
— Vocês devem ter falado muito de mim. De qualquer forma, eu precisava te encontrar e perguntei se ela sabia onde você estava.
— Então ela te deu o nome da boate?
— Não de cara. Acho que ela queria me torturar.
— O que ela fez?
— Me fez tirar a camisa.
— Você está brincando?
— Não, estou falando sério.
— Foi só isso?
— Quisera eu.
— O quê?
— Ela me fez segurar uma placa feita de papelão que dizia “otário” e tirou uma foto.
Cobri a boca com a mão e falei.
— O quê?
— Sim. Ela disse que era um efeito colateral.
— Sully é louca.
— Bem, ele... Ela obviamente se importa com você. Posso entendê-la. De qualquer forma, só depois de tirar a foto que ela me deu o endereço e disse “é sua última chance”.
— Nossa. — eu disse.
— Sim.
Joe se virou para mim.
— Preciso que saiba de algo.
— Ok...
— Mais cedo, quando terminamos de transar no beco e você me pediu para não voltar para Blanda, foi difícil de ouvir isso. Tem uma parte de você que não acredita que isso é real, e você está traumatizada por eu ter te deixado no passado. Me fez ver o quanto eu te feri, e o quanto terei que trabalhar para reconquistar sua confiança.
— Eu estava apenas muito sentimental no momento, ainda mais depois de passar o dia lendo seu livro. Cada sentimento, incluindo meu maior medo, veio à tona.
Joe tirou o pote de sorvete das minhas mãos e o colocou de lado.
Ele colocou a mão no meu rosto.
— Nunca ouve uma competição. Eu amava Blanda, mas era por omissão. Eu te amo muito mais. A cada segundo que passei de novo com você eu tinha que, constantemente, me lembrar de que amava Blanda, o que não é algo que se deva fazer. Meus sentimentos por você eram tão fortes que me assustaram. No segundo que entrei no avião, sabia que estava voltando pra terminar as coisas com Blanda. Era o certo a fazer.
— Você a feriu, não foi?
— Sim. Ela não merecia.
— Sinto muito.
— Seria pior se estivéssemos noivos ou casados porque não sei se o resultado teria sido diferente. Não seria justo continuar com ela e te amar como eu amo.
— Acho que sei exatamente o que ela deve estar sentindo.
— Sim, provavelmente sabe. Uma parte de mim sempre se sentirá péssima por feri-la, mas não podia ser evitado. Levou vários dias depois que voltei para descobrir um jeito de explicar tudo a ela porque queria ser honesto. Não fiz isso imediatamente, mas não dormi com ela, v você precisa saber disso. Eu inventava desculpas. Em resumo, não queria voltar pra você com qualquer coisa me prendendo ou sem que você soubesse tudo sobre meu passado. Então depois que me mudei, passei muito tempo trabalhando no livro até que cheguei ao ponto de ficar confortável sobre você lendo.
— Obrigada por dividir isso comigo.
Ele me beijou.
— Eu te amo tanto, Demi.
— Também te amo.
— Eu não vou voltar para a Califórnia.
— O quê? Nem para pegar suas coisas?
— Não. Coloquei tudo num depósito. Mami está bem. Mas precisaremos ir lá visitá-la logo.
— Nós?
Queria conhecer Denise tanto quanto Dorothy queria conhecer a
Bruxa Má do Oeste.
— Sim. Contei a ela sobre você. No começo ela não aceitou muito bem, mas expliquei o quanto eu te amo e disse que ela precisava aceitar. Ela aceitará, Demi. E se não aceitar, não importa mais.
— Espero que sim.
— Preciso achar outro trabalho porque saí do Centro Juvenil depois que terminei com Blanda. Então, na verdade, uma das coisas que fiz nos últimos dias foi uma entrevista numa escola aqui na cidade na última sexta. Eles me ofereceram o cargo de conselheiro.
— Sério?!
— Sim.
— Joe, isso é ótimo!
Ele pegou o sorvete e voltou a tomar.
— Precisarei de um lugar pra ficar. Sabe de alguma garota que precise de um colega de quarto?
— Na verdade, Sully está procurando alguém.
Ele me deu uma colher.
— Estava falando de outra garota. Estava pensando em morar com essa linda e pequena ninfa que eu conheço que gosta de ter a
boceta chupada.
— Oh... Talvez ela esteja interessada.
— Ótimo, porque eu não aceitaria não como resposta. — Ele me beijou com a boca cheia de sorvete. — Ei... Você nunca me explicou com o que realmente trabalha. Disse que é algo administrativo, mas pra que empresa? Ou você é uma agente do FBI ou algo do tipo?
Oh cara. Estava surpresa que demorou tanto antes que tivesse que confessar. Tinha uma razão pela qual escondia isso.
— Não é bem administrativo, e você acertou a parte de agente.
Tem um motivo pelo qual eu estive hesitante de contar a você. Eu me senti realmente culpada quando nós nos separamos, porque eu realmente desejava poder fazer algo para te ajudar.
— Não entendi.
— Eu sou uma agente literária, Joe.
Ele colocou o pote na mesinha.
— Como é?
— Represento autores, e acho que poderia ajudar a publicar seu trabalho, particularmente Lucky and the Lad. Trabalho com uma editora de romances juvenis, e acho que deveríamos mostrar seu trabalho.
— Você está brincando?
— Estou falando sério.
— Como você se envolveu com isso?
— Na verdade, eu caí de paraquedas. Estava procurando por um trabalho na faculdade, comecei como estagiária e fui subindo até a posição de agente. Sou nova, então ainda estou trabalhando meu portfólio de clientes.
— Por favor, me diga que terei que dormir com você para alavancar minha carreira.
— Faz parte do acordo.
— Falando sério, nossa, estou orgulhoso de você.
— Não sabe como me senti culpada no último ano quando vi escritores menos talentosos que você tendo sucesso. Não sabia como entrar em contato ou se era isso que você queria, pois sei como é reservado com seus livros.
— Sabe que eu não espero um tratamento especial. Você não me deve nada.
— Sua escrita me impressionou antes dessa carreira. Acredito em você. Trabalharemos juntos. Se não acontecer nada, ao menos nós tentamos.
— Se não der em nada, ainda sim serei o cara mais sortudo do mundo. — Ele sussurrou, ainda pensando sobre isso. — Isso é muito louco.
Me levantei para ir para o seu lado, passando o dedo nele.
— Falando em sorte, notei essa nova tatuagem aqui.
Ele começou a me provocar.
— Oh, você notou?
Era uma pequena caixa de Lucky Charms29 com as palavras
“Coma Cereal” escritas embaixo.
Fofa mas bizarra.
Apesar de lembrar o tema irlandês das outras, me fez rir.
— Qual o significado?
— Honestamente? Fiz recentemente. Ela me lembra de você e sorte presa na sua bunda30. Além disso, você é meu amuleto da sorte. Mais de uma vez, você transformou algo ruim em algo mágico para mim. — Ele me beijou profundamente e continuou. — E se embaralhar as letras, forma nossos nomes.
Oh meu Deus. Eu o amo.
— É meu anagrama favorito dos que você já inventou.
— Era isso ou Rectal Gee, o que não fazia sentido. Ou então eu teria que tatuar uma ferradura no meu traseiro. Isso não ia funcionar.
Alguns meses mais tarde, era Natal em Nova York. Era minha época favorita do ano com todas as luzes e decorações pela cidade. Esse
Natal seria o melhor porque eu e Joe estaríamos juntos pela primeira vez.
Iríamos para São Francisco passar o feriado com Denise. Por sugestão de Joe, falei com ela no telefone algumas vezes para tirar a estranheza da situação. Ela foi surpreendentemente cordial, e me fez sentir melhor sobre a viagem. As coisas nunca seriam perfeitas entre nós, e tenho certeza que ela preferia Blanda. Mas ao menos, com Eddie morto e com o passar do tempo, ela me aceitaria.
Alguns dias antes de viajarmos, Joe e eu fomos convidados para uma festa de Sully.
O apartamento de Sully era um clássico da cidade. Ela levou a sério o tema, pendurando visgo de plástico e luzes brancas em todo apartamento. Até tinha uma faixa dourada escrito “Coma, beba e seja feliz”. Ela também montou uma mesa com gemada e aperitivos. Joe e eu estávamos relaxados depois de algumas canecas de gemada.
Ele estava tão sexy com um chapéu de Papai Noel enquanto me guiava até um canto vazio da sala.
Puxei a bola na ponta de seu chapéu.
— Você sabe que é o Papai Noel mais sexy que eu já vi, né?
Ele envolveu as mãos em minha cintura.
— Sorte sua que eu não apareço só uma vez por ano.
Envolvi seu pescoço e me aproximei.
— E eu lhe darei bem mais que biscoitos.
— Não me importaria de espalhar um pouco de alegria naquele banheiro, agora. — Ele disse.
Então, fizemos isso.
Quando voltamos, era hora de abrir os presentes. Sully deu o seu a Joe primeiro. Eles acabaram ficando bem amigos.
— Oh, Sully. Não precisava. — A sala explodiu em gargalhadas enquanto Joe levantava uma camisa com sua foto sem camisa, segurando a placa onde se lia “otário”. Também tinha uma caneca e um mouse pad fazendo conjunto.
Sully riu.
— Com toda essa coisa do livro, não queria que esquecesse suas raízes.
Joe riu e depois aceitou seu presente verdadeiro, um cartão presente do Starbucks onde ele passava tanto tempo escrevendo depois do trabalho. Recentemente tínhamos conseguido um contrato para
Lucky e o Garoto e uma sequência que ainda seria escrita. Ele ainda trabalhava na escola durante o dia.
O presente de Joe para mim foi o último a ser distribuído. Fiquei surpresa de ele ter comprado algo, pois tínhamos combinado de trocar presentes na Califórnia. Vamos dizer que, assim que abri a caixa, tudo fez sentido. Esse não era meu presente verdadeiro. Era o ultimo par de calcinhas que ele tinha me roubado anos atrás. Era um de renda lilás.
Eu me lembrava delas e balancei a cabeça.
— Eu não acredito que você guardou isso todos esses anos.
— Foi uma lembrança que tive de você por muito tempo.
Sussurrei em seu ouvido.
— Você sorte que a minha bunda ainda cabe nisso.
Ele sussurrou de volta.
— Acho que eu sou mais sortudo por caber dentro da sua bunda.
O bati no braço.
— Você é tão pervertido. Mas eu amo isso.
— Você não leu o cartão. — Ele disse.
Eu abri. Tinha a foto de um casal de velhinhos se beijando perto de uma árvore de Natal. Era um desses cartões em branco que você escrevia algo dentro.
Demi,
Esse Natal será o melhor da minha vida.
Por sua causa… Eu:
Estou agradecido.
Estou feliz.
Estou completo.
Estou em paz.
Estou excitado com o futuro.
Estou apaixonado.
Por sua causa nesse Natal… Eu:
Estou alegre.
Estou alegre31.
Não entendi até vê-lo se ajoelhar e pegar uma caixinha no bolso.
— Não sabia o que era o amor até te conhecer, Demi, não apenas como dar, mas como receber. Eu te amo tanto. Por favor, aceite se casar comigo.
Cobri o rosto em choque.
— Eu aceito. Sim. Sim!
Todos aplaudiram. Sully deveria saber de tudo porque estourou logo uma garrafa de champanhe.
Quando Joe colocou o anel no meu dedo, eu engasguei.
— Joe, é o anel mais lindo que eu já vi, mas você não conseguiria pagar por isso.
O diamante tinha ao menos dois quilates e era rodeado por pedras menores.
Ele levantou e encostou seu nariz no meu.
— Esse anel é o que Paul deu a Denise anos atrás. Ele não tinha problemas com dinheiro. Mami parou de usar depois que Paul morreu, mas não quis se desfazer. Guardou todos esses anos. Nunca o tinha visto, mas ela me mostrou logo antes de eu me mudar para cá.
Imediatamente perguntei se poderia ficar com ele, sabendo que queria dá-lo a você algum dia. Ela me deu, mas insisti que a pagaria algum dia. Esse anel uma vez representou muita dor para minha família, mas não vejo mais dessa forma. Se não fosse por tudo isso, não existiria um nós, e não consigo imaginar isso. Esse anel é uma peça indestrutível de luz no meio de toda escuridão que foi meu passado. Ele me lembra do seu amor por mim. É o anel certo para você.
Um ano depois, na véspera de Ano Novo, Joe e eu tivemos uma cerimônia privada, apenas no civil. Usei meu cabelo preso. Ele ficou feliz com isso.
Não era necessário um casamento grande; só queríamos torná-lo oficial. Escolhemos a véspera de Ano Novo para brincar com o destino.
Depois de um jantar a dois no Pub do Charlie, nos juntamos à multidão na Times Square;
Quando a bola caiu, Joe me deu um beijo apaixonado que mais do que compensou a oportunidade perdida cinco anos atrás.
Quando ele me colocou no chão, eu sussurrei no seu ouvido e lhe dei a surpresa da sua vida.
Mais tarde, ele colocou a cabeça na minha barriga e brincou de seu jeito único sobre como nós poderíamos fazer um reality show: ele era oficialmente o filho bastardo do irmão que tinha engravidado a meia-irmã.

-

29 É um cereal colorido que, literalmente, quer dizer “Encantos da Sorte”. O cereal tem vários formatos e cada um representa um encantamento que dá um poder especial a quem come.
30 Como ela ganhou muitas vezes no cassino, ele diz que ela é uma pessoa com sorte.
31 Estou alegre = Am Merry, que, embaralhando dá Marry Me = Case comigo.

*****

E esse foi o último capítulo, gente :( 
Bom, não posso me prolongar muito aqui, tem parente em casa.
Amanhã posto o epílogo, respondo os comentários e falo tudo o que eu quero dizer a respeito dessa fic
Acompanhem a fic da YasDeception
Amo vocês.
Beijos.

20 comentários:

  1. Awn... Ficou tão perfeito
    E eu amei super hot deles ♥
    E awn... Ela tão grávida! Que fofo
    Eu sinceramente não sei o que falar, é triste que esse seja o último capítulo, mas pelo menos tem epílogo! Eu estou chorando aqui, deitada na minha cama e pensando em como eu não mudaria nada nessa fic, porque ela é perfeita e valeu cada lágrima, cada risada, cada sorriso e se eu pudesse eu não mudaria nada
    Posta logo e eu amo você
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, que fofa você <3
      Eu to exatamente na mesma situação, não mudaria nada, amei do início ao fim.
      Também to "triste" que acabou, mas pelo menos ela ta eternizada aqui no blog.
      O hot foi tão
      Pois é, apesar de o epílogo ser bem pequeno..
      Também te amo, beijos xuxu ashas ♥

      Excluir
  2. DEUS ME AJUDE
    num to bem! produçao?! estou desmaiada, jogada no chão, estou morta!
    que capítulo perfeito foi esse?!
    Demetria safadenha escolhendo a opção B hehe
    Eu quero o Joe papai noel pra mim :'(
    nem acredito q esse é o último capítulo da fic CHOREMOS ;'(
    estou super ansiosa pro epílogo
    pôsta o mais rápido q puder ok?!

    beijos no coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode isso, produção?
      Demetria safada akjshaius também, com o um Joseph Jonas na vida, como não ser safada? ajsoias
      Joe amorzão <3
      O epílogo foi bem pequeno, né? Mas, amei
      Beijos.

      Excluir
  3. Eu simplesmente amei essa história..... é uma pena que agora que ficaram juntos a história acaba ...... queria muito mais JEMI.....ansiosa para o epílogo...., vc já escolheu a próxima? Bjooo.......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você amou <3
      Ai, eu também queria muito, muito mais Jemi :(
      Já escolhi sim.
      Beijos

      Excluir
  4. Não acredito que acabou!! :(
    Amei demais essa fic.
    Achei muito fofo que a Demi ficou grávida do Joe <3
    Ansiosa para o epílogo.
    Posta logo!!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem eu, :(
      Que bom, eu também amei, ♥
      Sim, haha, nós merecíamos essa gravidez, né?
      Esse finalzinho "ele era oficialmente o filho bastardo do irmão que tinha engravidado a meia-irmã." me matou asjhaj tive que rir <3
      Beijos

      Excluir
  5. GUESSSSS WHO'S BACKKKKKK
    AI QUE SDDS GENTE, FICO UNS DIAS SEM ACESSO E QUANDO VOLTO ACONTECE TD ISSO AJSHKSJSKS MEU DEUS DO CÉU. SULLLLLY, IMAGINEI UMA TRAVESTI VESTIDA DE MONSTROS S.A...
    IMAGINA QUE COISA FOFA UM BEBÊ DESSES DOIS GENTE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AAAAAH, VOCÊ VOLTOU ♥
      Meu Deus, Lua, que imaginação fértil, morri ashaushuah
      Fofa demais ♥
      Beijos, amorrrr <3

      Excluir
  6. Eu amei o capítulo
    Eu amei a volta dele
    Eu amei o hot
    Eu amei o que a Sully fez com ele
    Eu amei o pedido de casamento
    Eu amei a gravidez dela
    Posta logo o epílogo
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que lindaaaaa <3
      Também amei tudo isso.
      Posto, anjo.
      Beijos ♥

      Excluir
  7. Owwnnnttt , amei amei amei muitoooo !!
    Ta tudo tão perfeito !! Posta o Epílogo logo !!

    ResponderExcluir
  8. Nossa , Ta perfeito !! Finalmente eles ficaram juntinhos !! To muito curiosa pro Epílogo , posta logo por favoorr!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Finalmente \O/
      Final mais que merecido <3
      Beijos ♥

      Excluir
  9. Joe e Demi , Demi e Joe...... FINALMENTE!!
    Amei o último capitulo , mas to triste que acabou a história !!!!!!
    Mas pelo menos ainda tem o epílogo né, então posta loooggoooooo kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FINALMENTE ♥
      Ai, eu me sinto igualzinha :(
      Apesar de pequeno, tem, asbasaks
      Bjs ♥

      Excluir
  10. Finalmente juntos, eu já não aguentava mais esses dois enrolados dsijdkosdks
    Não acredito que acabou ):
    Essa fic é muito foda, vou sentir saudades.
    Posta o epílogo logo, beijos :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eles mereceram ficar juntos, depois de tudo que passaram <3
      Eu também vou :(
      Postei, beijinhos

      Excluir