5.1.15

Capítulo Dez




Destruída, não poderia começar a descrever o que senti em ter que voltar para o meu quarto, sabendo que ele me queria da mesma forma que eu o queria, mas que nunca teríamos a menor chance. Aqui já parecia vazio, e ele ainda nem tinha ido.
Incomodava-me que ele teria que voltar para casa e para aquela situação com a mãe dele. Não que suas interações com Eddie tivessem sido nada menos do que horríveis, mas pelo menos aqui eu poderia estar lá para apoiá-lo. Ele realmente não tinha ganhado na loteria no departamento pais que se importam.
Ele só tinha começado a se abrir para mim. Eu sabia que se ele ficasse nós teríamos crescido mais juntos. Eu tentei me convencer de que isso era o melhor, porque ele estava indo embora no verão de qualquer maneira. Mas, apesar de minha conversa comigo mesma, a dor em meu peito continuava não indo embora.
Não pude deixar de invejar todas essas meninas na escola que tiveram a oportunidade de experimentar estar com ele em um nível físico. Mesmo imaginando que eu me conectei com ele de uma forma diferente e melhor, ainda havia um profundo desejo do que eu tinha perdido.
Minha mãe entrou brevemente para me ver e perguntou se eu tinha ouvido a notícia sobre Joe indo embora.
— Vocês dois pareciam estar se dando melhor. É uma pena que ele queira voltar agora que a mãe está em casa. Ele poderia ter certamente ficado até o ano escolar terminar.
Já que minha mãe não sabia sobre o verdadeiro motivo de Denise estar de volta, eu somente balancei a cabeça enquanto ela falava. Eu tentei ao máximo disfarçar as lágrimas que até então vinham caindo bastante. Ela deu-me um beijo de boa noite, e eu fiquei abraçando o boneco de pelúcia do Snoopy que tinha sido o meu braço direito desde que eu tinha três anos.
Era assim que a minha noite deveria terminar.
Foi apenas uma leve batida na porta do meu quarto. Pensando bem, uma “leve” batida pesada parecia mais apropriado para o que aconteceu depois que eu abri.
Seu peito subia e descia com a respiração pesada.
— Você está bem? — Perguntei.
Por alguns segundos, Joe estava olhando para mim como se ele não soubesse como tinha chegado a minha porta.
— Não.
— O que está errado?
Seus olhos tinham uma fome frenética neles.
— Foda-se amanhã.
Antes que eu pudesse processar, suas mãos quentes seguraram meu rosto e trouxeram minha boca para a dele. Um gemido do fundo da sua garganta vibrou na minha, e eu peguei ele com uma profunda inspiração de ar. Seu peito pressionado contra os meus seios enquanto ele me empurrava de volta para o quarto. A porta se fechou atrás dele.
O que estava acontecendo?
Sua boca era quente e úmida enquanto ele devorava a minha, sua língua circulando o interior quase desesperadamente. Isso era muito mais intenso do que as duas últimas vezes que tínhamos nos beijado, e eu percebi que era isso que acontecia quando Joe não se segurava.
Este era diferente e um prelúdio para algo mais.
Ele parou de me beijar por um momento, e suas mãos deslizaram do meu rosto para baixo pelo meu pescoço. Ele enrolou meu cabelo, e puxou minha cabeça para trás. Ele chupou na base antes de beijar todo o caminho de volta para cima e suspirar em minha boca.
Minha língua foi de um lado a outro sobre o seu lábio, e ele respondeu mordendo suavemente meu lábio inferior enquanto gemia por entre os dentes.
Eu queria mais.
Eu estava pronta.
Não havia dúvida em minha mente; Eu estava deixando-o ir até o fim.
Quando ele parou para olhar para mim, eu aproveitei a oportunidade para perguntar o que eu tinha que saber.
— O que aconteceu?
Ele pegou minha mão e me levou até a cama, onde ele se sentou e levantou meu corpo para que eu estivesse sobre ele. O calor de sua ereção pressionada contra o meu clitóris latejante. Ele colocou a cabeça no meio do meu peito e falou contra a minha camisa, fazendo com que meus seios formigassem.
— Você quer saber o que aconteceu comigo? — Ele sussurrou com voz rouca. — Eu finalmente abri essa carta que você escreveu depois de ler o meu livro. Foi o que aconteceu. Ninguém nunca disse essas coisas para mim antes, Demi. Eu não mereço isso.
Corri meus dedos pelo seu cabelo, que parecia seda.
— Você merece isso. Eu quis dizer cada palavra.
Ele olhou nos meus olhos.
— As palavras naquela carta... Eu vou levá-las comigo para sempre. Eu nunca poderia te pagar de volta o que você acabou de me dar. Então eu pensei em como eu não pude te dar a única coisa que você me pediu. Isso me deixou mais irritado enquanto eu estava fazendo as malas. Eu decidi que eu também prefiro ter essa noite a nada. É completamente egoísta, mas eu quero ser a sua primeira vez. Eu quero ser o primeiro a mostrar-lhe tudo e ser aquele que você sempre vai se lembrar para o resto da sua vida. Mas só se você quis dizer isso quando falou que era o que você queria.
— Eu quero isso mais do que qualquer coisa. — Eu o puxei mais apertado para o meu peito.
Ele resistiu, olhando nos meus olhos novamente. Sua expressão era séria. — Olhe para mim, Demi. Porque eu preciso ter certeza de que você está realmente bem com o fato de que isso pode acabar amanhã. Você nunca poderia dizer a ninguém. Vou te dar tudo e nada que você quer hoje à noite, desde que você realmente entenda isso. Você precisa me prometer que você pode lidar com isso.
— Eu posso lidar com isso. Eu já te disse que eu queria que a minha primeira vez fosse com você, mesmo que seja a única vez. Eu não quero que você se segure. Eu quero que você me mostre tudo. Quero experimentar as mesmas coisas que todas aquelas outras meninas tiveram. Eu não quero que você me trate de forma diferente.
— Eu não vou te dar exatamente a mesma coisa... Mas eu posso te dar mais. Ok? Posso te dar algo melhor. Pode ser uma noite, mas eu vou fazer valer cada segundo.
Isso realmente estava acontecendo.
Quando os meus nervos de repente tomaram o melhor de mim, Joe percebeu e colocou as mãos sobre meus ombros.
— Você está tremendo. Talvez não seja uma boa idéia.
— Eu não posso evitar isso. Eu vou estar nervosa, mas em um bom sentido.
Eu ainda estava sentada em cima dele quando ele olhou para mim, um último momento de hesitação. Estendi a mão para o seu rosto e beijei-o profundamente em uma tentativa de provar que eu estava tão pronta quanto eu disse que estava. Olhei-o nos olhos uma última vez e disse, — Eu quero isso.
Ele procurou meus olhos por alguns segundos, em seguida, levantou-me de cima dele e se levantou. Esfregando as pontas dos dedos ao longo do meu pescoço, ele moveu lentamente em um movimento de arranhar então envolveu sua mão ao redor do meio como se... Ele fosse me sufocar. Mas não era nada disso. Ele apenas segurou meu pescoço, esfregando-o suavemente com o polegar. Eu me senti molhar apenas pelo jeito que ele estava olhando para mim, como se não houvesse mais nada no mundo que ele quisesse mais do que me ter.
— Eu amo o seu pescoço. Foi a primeira coisa que eu quis beijar. É tão longo e delicado.
Fechei os olhos e inclinei a cabeça para trás. Ele ainda não estava me beijando, apenas levemente apertando meu pescoço.
Finalmente, ele moveu as mãos para baixo e lentamente tirou a minha blusa. Seus olhos estavam vidrados enquanto olhava para os meus seios.
Em um estúpido momento de insegurança eu disse:
— Eles são pequenos.
Ele beijou minha bochecha, em seguida falou perto do meu ouvido.
— Ótimo. Eles se encaixam perfeitamente dentro da minha boca.
Suas mãos, em seguida, agarraram meus lados e abaixaram-se para retirar meus shorts. — Merda, — ele murmurou e olhou para mim com um sorriso travesso quando percebeu que eu não estava usando calcinha. Chutei meus shorts e fiquei na frente dele, sentindo-me vulnerável.
Ele apenas continuou a olhar para mim por alguns segundos, e estava me deixando louca que ele continuasse mantendo um pouco de distância.
Enquanto seu olhar viajou da minha cabeça aos pés, de alguma maneira, com cada movimento de seus olhos parecia que ele estava me tocando.
Ele deu um passo para frente e falou baixinho sob a minha orelha. — Existe alguma coisa em particular que você gostaria que eu fizesse ou mostrasse primeiro?
Meu corpo ainda estava tremendo em antecipação.
Tudo.
— Quais são as minhas opções?
Ele coçou o queixo.
— Corda, corrente, algemas... Cinto.
— Hum...
Ele imediatamente pegou meu rosto em suas mãos.
— Oh, Deus. Você é tão linda. — Ele me beijou com firmeza nos lábios. — Houve uma pequena parte de você que se perguntou se eu estava falando sério. Foi uma piada.
— Eu imaginei. Eu só não tinha 100 por cento de certeza.
— Então... Nada em particular?
— Você pode começar por me tocar, talvez tirar a roupa, também.
— Você quer que eu tire a roupa, né?
— Não é assim que geralmente funciona?
Ele balançou a cabeça e mordeu meu nariz.
— Não.
— Não?
Você vai tirar a minha roupa. Mas não até que nós brinquemos um pouquinho.
— Brincar?
— Você não tem experiência. Eu não posso simplesmente ficar nu e começar a te comer. Você precisa estar pronta para mim. Vai doer a primeira vez, não importa o que eu faça, por isso precisamos ter certeza de que você esteja tão molhada quanto possível. Às vezes, menos é mais no início, porque quanto mais eu negar, mais você vai querer, mais preparada você estará.
Levando-me para a cama, ele se deitou de costas contra a cabeceira da cama e me puxou para uma posição sentada em cima dele.
Ele estava totalmente duro debaixo de mim.
— Você parece pronto, — eu brinquei.
— Eu estive pronto desde o dia em que entrei pela porta, dei uma olhada em você e percebi que estava fodido.
— Você sempre me quis assim?
Ele acenou com a cabeça.
— Eu fiz um bom trabalho escondendo isso por um tempo, não foi?
— Você poderia dizer isso.
Ele me empurrou para baixo sobre a ereção explodindo através de sua bermuda com estampa camuflada.
— É bastante óbvio agora, você não acha?
Eu estava latejando entre minhas pernas enquanto eu esfregava as mãos sobre a camiseta preta que se estendia contra seu torso.
— Sim.
Como o escurecimento de um cinema antes do início de um filme, a leveza de sua expressão desapareceu, indicando que as coisas estavam prestes a começar. Ele passou as mãos em volta do meu pescoço novamente. Ele deslizou para baixo e segurou meus seios, massageando-os lenta e firmemente enquanto eu me debatia sobre sua bermuda. Eu me apertei contra o seu pênis para satisfazer a excitação que estava se construindo em mim a cada movimento de suas mãos.
Ele manteve uma mão no meu peito e levantou a outra para o meu rosto, esfregando o polegar sobre a minha boca, em seguida, empurrando dois de seus dedos dentro.
— Chupe.
Sua pele tinha um gosto salgado. Eu apertei os músculos entre as minhas pernas, tão estimulada pelo olhar em seu rosto enquanto ele observava seus dedos entrando e saindo da minha boca.
Quando ele puxou-os para fora, esfregou a umidade da minha saliva sobre meu mamilo direito e lambeu a outra mão antes de esfregar os dedos sobre meu seio esquerdo.
— Eles são perfeitos. — Joe deslizou ambas as mãos pelo meu torso e envolveu-as em torno de mim, apertando a minha bunda. — Então, é isso. — Ele me deu um leve tapa e sorriu. — Eu quero fazer coisas para isso, — disse ele enquanto agarrava mais forte.
Eu queria que ele me beijasse firme ou colocasse a boca em mim de alguma forma enquanto ele me tocava, mas ele apenas continuou olhando para mim enquanto massageava minha bunda. Deslizando minhas mãos sob sua camiseta, eu continuava a me mover sobre seu pênis.
— Posso tirar isso?
— Tudo bem... Mas apenas a camiseta.
Levantei-a sobre a sua cabeça, fazendo com que seu cabelo despenteado ficasse ainda mais bagunçado. Fiquei maravilhada com os contornos do seu corpo, o peito bronzeado. Ele tinha um pequeno anel no mamilo esquerdo. Eu o tinha visto muitas vezes sem camisa antes, mas nunca de perto com a capacidade de tocá-lo.
Movi minhas mãos sobre as tatuagens em seus braços, a palavra Lucky à direita e o seu braço todo tatuado à esquerda, e para baixo, os trevos no seu estômago ondulado. Corri meus dedos mais para baixo ainda, pela trilha de pelos que levava até a sua bermuda. Ele apertou seu abdômen com o meu toque, e eu senti seu pau se contorcer debaixo de mim.
— Ponto sensível?
— Foi... Quando você tocou meu abdômen.
Abaixei-me e beijei o peito dele delicadamente, e esse gesto íntimo pareceu ter tido um efeito sobre ele. Quando me afastei, ele me pegou de surpresa quando me empurrou de volta para baixo sobre ele e me segurou lá por um tempo. Meu peito nu estava colado contra o seu coração que batia descontroladamente rápido.
— Por que o seu coração está acelerado? — Eu perguntei.
— Você não é a única que está tentando algo novo.
— O que você está falando?
— Eu nunca fui o primeiro de ninguém antes.
— Sério?
— É... Sério.
— Você está nervoso?
— Eu só não quero te machucar. — A maneira como ele olhou para mim quando ele disse isso me fez perceber que ele não estava realmente falando sobre a dor física. Ele não queria que eu ficasse ligada a ele.
Meu peito se apertou, e eu tinha certeza que era mentira quando eu disse:
— Você não vai.
Você vai, mas eu quero você de qualquer maneira.
— Eu quero apenas te foder duro, mas eu estou me segurando porque eu tenho medo do que isso vai fazer com você em várias maneiras.
— Joe, você me perguntou o que eu queria. O que eu quero é que você não se segure. Nós só temos hoje. Por favor... Não se detenha.
Pela primeira vez desde que ele entrou no meu quarto, ele me beijou com a mesma fome fervorosa que eu queria, me atacando com a língua e gemendo em minha boca. Ele me virou de costas e se ajoelhou em cima de mim, me prendendo com seus braços. Seu cabelo despenteado caía sobre seus belos olhos cinzentos enquanto ele olhava para mim e mais uma vez enfiava dois de seus dedos na minha boca.
Percebi que para ele ficar confortável e esquecer a sua apreensão, eu precisava intensificar.
Eu segurei sua mão e chupei os seus dedos com firmeza, levando-os profundamente na minha garganta. Seus olhos estavam semicerrados enquanto ele observava atentamente eu fazer isso, ele lambeu os lábios. Então, ele estendeu a mão e abriu minhas pernas.
— Linda, — ele sussurrou enquanto colocava o dedo dentro de mim. — Deus, você está tão molhada. — Ele tirou de mim e substituiu-o por dois dedos da próxima vez, empurrando-os para dentro de mim lentamente, tão profundo quanto eles iam. Engoli em seco.
— Está bom?
— Sim.
Ele começou a mover seus dedos dentro e fora de mim mais forte e mais rápido. Eu podia até ouvir o quanto eu estava molhada.
Apertando meus seios juntos, dobrei a cabeça para trás e meu corpo pulou. Eu comecei a perder o controle, movendo os quadris para encontrar a sua mão. Ele sabia disso quando tirou os dedos de dentro de mim de repente. — Não goze ainda, — disse ele.
Ele me virou para que eu ficasse em cima dele novamente e me moveu para trás e para frente sobre seu pênis. Sua bermuda estava encharcada de mim. Em um determinado momento, eu poderia ter gozado se ele tivesse deixado.
Parecia que ele tinha a capacidade de perceber quando eu ia passar do ponto de ruptura. Ele me parou e recuou.
— Você está pronta agora?
— Sim. Eu já estou pronta.
— Eu quero que você se toque.
Eu estava ajoelhada em cima dele enquanto meus dedos esfregavam o meu clitóris. Meus joelhos começaram a tremer.
— O que você quer, Demi?
— Eu quero te ver nu.
— Então, faça o que quiser.
Eu abri o zíper da sua bermuda com a mão livre, e ele me ajudou a empurrá-la para baixo. Quando seu pênis surgiu de dentro da cueca, me chocou como seria quando ele estivesse dentro de mim.
Ele sorriu, sabendo muito bem a razão por trás da minha reação.
— Algo errado?
— Eu só...
Ele estava sufocando uma risada.
— Parece que você tem algumas perguntas.
— Não exatamente... Eu...
— Tire-as do caminho agora.
Eu dei o meu primeiro olhar de perto no piercing circular.
— Será que vai romper o preservativo?
— Isso nunca aconteceu. Eu uso um tipo resistente por essa razão... E extra grande por outra razão. — Ele piscou.
Eu ri nervosamente, não entendendo de verdade como ele ia caber em mim. — Isso dói?
— Levou um longo tempo para curar, mas agora, nem um pouco.
— Isso vai me machucar?
— Eu te diria que, na verdade, aumenta o prazer.
— Uau.
— Algo mais?
— Não. Tudo bem.
— Tem certeza? Agora é a sua chance de correr.
Inclinei-me e pressionei meus lábios nos dele, e nós dois rimos através do beijo.
Eu podia sentir o metal do piercing no seu pênis deslizando contra o meu estômago. Eu apertei os músculos entre as minhas pernas com uma nova necessidade de me satisfazer.
Ele me levantou acima dele e colocou minha mão em seu pênis.
— Toque-me, enquanto você se toca e ouça se eu lhe disser para parar.
Com uma mão no meu clitóris e outra sobre ele, eu fiz o que ele disse. Nada nunca me excitou mais do que ver o acúmulo de umidade na ponta do seu pau com cada movimento da minha mão, senti-lo quente e liso, ficando ainda maior do que antes. Eu adorava vê-lo me ver.
Ele estava respirando de forma incontrolável.
— Pare.
— Eu quero sentir você dentro de mim agora, — eu disse.
— Você irá. Há mais uma coisa que eu preciso fazer primeiro... Só para ter certeza que você está pronta.
— O quê?
Em vez de me responder, ele deslizou seu corpo para baixo de mim e me levantou. Eu ainda não tinha certeza exatamente do que ele estava fazendo, mas depois ficou muito claro quando ele posicionou seu rosto bem na minha virilha. Eu engasguei quando senti a sensação mais incrível da minha vida. Eu nunca poderia ter imaginado o quão bom seria sua boca quente pressionando contra mim. Sua língua roçou meu monte em golpes lentos, mas firmes. Quando ele gemeu, vibrou através do meu núcleo, e eu deixei escapar um som ininteligível.
— Ssh, — disse ele contra mim. — Temos que ficar quietos.
Parecia impossível.
— Você precisa parar, então.
— Eu não quero. Você tem um gosto muito bom, — disse ele, enquanto sua língua continuava o caminho em mim. Então ele a colocou dentro da minha abertura, enquanto pressionava a boca com mais força contra o meu clitóris.
Ai. Meu.
— Eu vou gozar se você não parar, Joe.
Ele chupou meu clitóris uma última vez e lentamente o liberou da pressão de sua boca. Eu estava pulsando entre minhas pernas, tremendo, e senti as lágrimas começarem a se formar em meus olhos.
Ele deslizou de debaixo de mim, pegou meu rosto em suas mãos e sorriu para mim.
— Agora... Você está pronta.
Ele enfiou a mão no bolso de sua bermuda que estava no chão e tirou um preservativo. Ele rasgou o pacote com os dentes, e ao olhar em seus olhos eu estava pronta em antecipação. Joe espalhou a borracha sobre seu pênis e cuidadosamente apertou a ponta.
Posicionando-me debaixo dele, ele me beijou profundamente enquanto esfregava seu pênis contra o meu sexo. Eu não agüentava mais e envolvi minha mão em torno dele, levando-o para a minha entrada.
— Devagar, — ele alertou. — Isso vai doer.
— Eu não me importo.
— Você vai. — Ele separou os meus joelhos à medida que avançava. — Segure-se em minhas costas e me aperte, me bata, me morda... Faça o que tem que fazer quando você estiver com dor, mas, por favor, não grite. Eles não podem saber que estamos aqui.
Mesmo tão molhada quanto eu estava, queimava como o inferno quando ele tentou entrar em mim a primeira vez. Eu cavei minhas unhas em suas costas para reduzir o desconforto. Eu mal respirava enquanto ele me esticava. Eventualmente, a dor se tornou suportável.
Eu nunca vou esquecer a maneira como me senti quando ele estava totalmente dentro de mim pela primeira vez ou o som que ele fez. Ele estava tão controlado até aquele momento, quando ele fechou os olhos e ofegou.
— Demi... Isso... Você... Porra.
Com cada movimento subsequente, a penetração passou de dolorosamente desconfortável para dolorosamente incrível. Ele ainda estava pegando leve, mas honestamente, a partir do olhar em seu rosto, eu não tinha certeza se ele continuaria assim.
Ele tirou lentamente, em seguida, empurrou de volta ainda mais lento.
— É mais difícil me controlar do que eu pensava. Você é tão apertada. Isto é tão bom; é indescritível. Eu preciso gozar, mas tem que ser com você.
Como se fosse um comando, os meus músculos começaram a se contrair. — Eu estou. Agora. Oh Deus. Joe! — Eu gritei o nome dele alto demais.
Ele colocou a mão sobre a minha boca.
— Shh... Oh, Deus. Demi... Porra... Demi, — ele sussurrou quando ele gozou, seu pau pulsando dentro de mim. Eu podia sentir o calor de sua liberação através do preservativo enquanto seu coração batia contra o meu.
— Essa foi a coisa mais incrível que eu já senti na minha vida, — eu disse.
— É. — Ele beijou meu nariz. — E eu ainda nem te fodi.

*****

FINALMENTE O HOT \OOOOO/
O que acharam do tão esperado hot? ajksbna
Lembrando que o Joe ainda nem a fodeu ashnaishn
Mas, a notícia triste, como vocês bem sabem, é que ele vai embora..
E a feliz, é que estamos quase na segunda parte da fic, que pra mim, é a melhor parte.
E se acalmem, isso não significa que já está acabando, porque a fic em si ainda não tá na metade.. Tem muito caroço nesse angu ajsauisj
Acompanhem a fic da Iza Nascimento - Love Of Neighbor.
Respostas aqui e aqui.
Beijos, se cuidem, amo vocês

14 comentários:

  1. Gi, meu coração com esse hot, posta logo o próximo porque eu não aguento tanta ansiedade sjdjdjdjd beijo.

    ResponderExcluir
  2. Finalmente o hot!! Que, aliás, foi incrível! E o Joe ainda nem fodeu a Demi ashansidvjsj.
    Muito ansiosa para o próximo!!
    Posta logo, Gi!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi bom, né? alskjaisj <3
      Então aguarde ele fodê-la akjshaish
      Posto sim, amor.
      Beijos

      Excluir
  3. Oi oi oi gi, ta bem?
    Adorei o hot, mas confesso que tb estava ansiosa p segunda parte da fic, com os personagens mais velhos, mais maduros, longe do colegial... prefiro, adultos kkkkk enfim....
    Joseph vai sentir falta, e ela também.... Já estão gamados, vão ficar 7 anos sem? Misericórdia....
    Mt tempo ne?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lua, to bem, amor, e você?
      Que bom que gostou, mas confesso que eu também fiquei ansiosa pela segunda parte, sempre fico com receio de ler histórias com adolescentes, porque também prefiro adultos aosijaios
      Vão sentir sim asijas e pois é.. 7 anos, muito né? o.o
      Se cuida, beijos

      Excluir
  4. Meu Deus perfeito !!!!!!!! Posta mais:)

    ResponderExcluir
  5. Eu tipo amei esse hot! E olha que Joe nem a fudeu ainda
    Posta logo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Mi aosijaiojs
      Posto sim, amor, beijão.

      Excluir
  6. "— É. — Ele beijou meu nariz. — E eu ainda nem te fodi." SAFADO PORÉM FOFO. Joseph
    Ameeeeei de vdd esse hot, senhooooooor...
    Posta mais, quero saber como vai ser o resto :)
    E brigada pela divulgação :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joseph é um amor e um canalha, safado e fofo, ele é de tudo um pouco nessa fic, amo muito <3
      Que bom que você amou aposjkaops fico feliz!
      Posto sim, e imagina, não precisa agradecer.
      Beijos

      Excluir
  7. Não creio que eles vão se separar...., ansiosa para a segunda fase da história......tem chance de fazer maratona? Bjo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é :(
      A segunda fase já ta chegando!
      Então amor, maratona só quando eu voltar de viagem, a partir do dia 12

      Excluir