14.1.15

Capítulo Dezesseis



OBS: Vocês vão morrer nesse capítulo :)

— Que tal esse?
Eu levantei um minivestido de chiffon amarelo canário fora da arara.
— Você vai parecer uma banana.
Dei uma olhada nos outros.
— Este?
Joe balançou a cabeça.
— Não.
Ele pegou um vestido de cetim cor de vinho e paetês que caía sobre as tatuagens em seu braço quando ele o mostrou para mim.
— Este é quente. É esse.
No início eu achei que era demais, mas concordei em experimentá-lo.
Depois de experimentar os três vestidos que eu havia escolhido, o que ele me deu é o que ficava melhor no meu corpo. Ele realmente fez parecer que eu tinha peitos, e como ele era curto, acentuava minhas pernas. Eu tive que dar-lhe crédito. As lantejoulas eram um pouco exageradas, mas eu estava me vestindo para ir a uma boate.
O vestido me coube tão bem que, na verdade, ele não queria sair.
O zíper ficou preso, e eu não conseguia puxá-lo por cima da minha cabeça. Eu estava começando a suar porque eu não conseguia alcançá-lo para diagnosticar o problema.
— Você está bem aí? — Perguntou Joe.
— Uh... Você pode ver se há uma vendedora que pode me ajudar?
— Qual é o problema?
— Eu não consigo tirar o vestido.
— Bem, você chegou a terminar o meu bife e o seu no jantar...
— O zíper está preso!
Ele riu.
— Posso te ajudar?
— Não! Eu ficaria mais confortável se...
A cortina se abriu de repente, e ele entrou.
— Venha aqui.
O calor de seu corpo era tangível no pequeno espaço. Ele deslizou todo o meu cabelo para frente e puxou o material que ficou preso.
Minha respiração acelerou a cada segundo que suas mãos trabalhavam no zíper na parte superior das minhas costas.
A imagem na minha cabeça dele rasgando o vestido e envolvendo minhas pernas em volta dele não estava ajudando.
— Você não estava brincando, — ele disse enquanto puxava o zíper. Depois de cerca de um minuto, ouvi-o dizer:
— Consegui.
— Obrigada.
Ele lentamente baixou alguns centímetros e depois parou.
— Tudo pronto.
Mas suas mãos permaneceram sobre os meus ombros. Eu estava olhando para baixo, e quando eu olhei para cima, ele estava olhando em meus olhos por trás de mim no espelho.
Eu me virei abruptamente. Nossos rostos estavam próximos, e seus olhos caíram para a minha boca e ficaram lá. Desta vez ele não tentou esconder o fato de que ele parecia hipnotizado pelos meus lábios.
Ele fechou os olhos brevemente, como se para afastar a vontade de me beijar. Ele teria me incomodado se tivesse tentado, eu sabia sem dúvida que eu não poderia ter resistido. Eu o teria beijado com tudo de mim. A falta de autocontrole me assustou.
Era impossível ver qualquer coisa além dele naquele momento, nada de Blanda ou as consequências.
A memória de sua boca em mim, dele profundamente dentro do meu corpo estava me oprimindo.
Minha mente poderia estar falando para esquecer, mas meu corpo sabia melhor. Ele sabia que tinha ao seu alcance a única coisa que ele desejou todos os dias durante os últimos sete anos.
Ninguém nunca tinha sido capaz de superá-lo ou substituí-lo.
Joe tinha me destruído.
Ele podia ser de Blanda agora, mas meu corpo ainda acreditava que pertencia a ele, independentemente do que Joe achava, independentemente disso ser certo ou errado.
Ele era dela.
Eu era dele.
Isso. Era. Fodido.
A atendente da loja veio.
— Está tudo bem aí?
— Sim! — Eu gritei.
Não, não está tudo bem.
Nada aconteceu.
Joe saiu do camarim assim que a atendente interrompeu o nosso momento.
Acabamos escolhendo algumas roupas na seção dos homens para ele usar naquela noite.
Fomos então para o lobby do hotel para reservar seu quarto. Ele insistiu em pagar por isso com seu cartão de crédito e não com o estoque de dinheiro.
Cada um de nós retirou-se para os quartos separados para tomar banho e tínhamos planejado nos reunir em meia hora para ir à boate Roxy.
A água caindo em mim era boa para lavar o álcool e o suor do meu corpo. Mesmo que este parecesse ser o dia mais longo da minha vida, o pensamento dele chegando ao fim me aterrorizava.
Desnecessário dizer que a água estava no frio. Apesar da temperatura, a necessidade de aliviar a tensão que vinha crescendo entre as minhas pernas durante todo o dia foi esmagadora. Chegou um momento em que eu deslizei para o chão do banheiro, deixando a água me bater enquanto eu massageava meu clitóris com pensamentos sobre ele.
O rosto de Joe entre as minhas pernas, seu anel de lábio raspando meu clitóris enquanto ele me lambia vorazmente...
Seu pênis perfurado na minha garganta...
A sensação dele dentro de mim...
Seus olhos colados aos meus enquanto ele gozava...
Meu clímax veio violentamente.
Minhas costas ainda estavam pressionadas no chão de cerâmica fria do banheiro quando ouvi a batida na porta.
Merda! Ou eu tinha perdido a noção do tempo, ou ele chegou cedo.
— Só um minuto!
Sequei-me o mais rápido que pude. Coloquei o vestido cor de vinho, rapidamente corri uma escova no meu cabelo molhado e abri a porta.
— Uau.
Depois de uma longa pausa, ele acrescentou,
— Você definitivamente não parece como uma senhora de luto mais.
— O que eu pareço agora?
— Você está corada, na verdade. Você está se sentindo bem?
Ter que enfrentar a pessoa que estava na sua cabeça enquanto você se masturbava apenas alguns segundos antes não era algo que eu poderia dizer que tinha acontecido comigo antes.
— Eu estou bem.
— Tem certeza?
Apertei os lábios tentando não parecer culpada.
— Sim.
Ele estava vestido para matar em jeans escuro e uma camisa azul que ele comprou lá embaixo na seção dos homens. Com o look mais casual, ele tinha se transformado de novo no Joe que eu me lembrava.
Seu cabelo ainda estava molhado, e o modo que se dividia acentuou seus olhos.
Esses malditos óculos.
— Foi tão bom tomar um banho. — disse ele.
— Eu sei o que você quer dizer.
O meu foi particularmente bom.
— Você precisa secar o cabelo?
— Sim. Só me dê um minuto.
Eu fui para o banheiro e passei o secador pelo cabelo tão rapidamente quanto eu podia e, em seguida, o prendi em um rabo de cavalo rápido.
Quando entrei novamente no quarto, Joe tinha ligado na ESPN e estava deitado na cama com as mãos apoiadas atrás da cabeça. Sua camisa tinha subido, me provocando com um vislumbre de uma das tatuagens de trevo em seu abdômen. Tornou-se claro para mim que me dar prazer no chuveiro não tinha feito nada para resolver os meus problemas e quanto mais cedo nós pudéssemos sair deste quarto, melhor.
— Estou pronta.
Ele pulou e desligou a televisão. Segui-o para fora quando a porta clicou atrás de nós.
— Você está bonita, — ele disse quando entramos no elevador. —
Eu gosto do seu cabelo assim.
— Você gosta?
—Sim. É como você o estava usando na noite em que eu te conheci.
— Estou surpresa que você lembra isso.
Um sentimento de nostalgia tomou conta de mim quando eu pensei sobre estar esperando por ele na janela, na primeira noite. Eu não tinha idéia em que tipo de aventura eu estava entrando com Joe.
— Você era tão inocente no início. Você só estava tentando ser gentil comigo, e eu era um idiota.
— Você era. Mas eu comecei a gostar disso em você.
— Quando eu não estava fazendo você chorar?
— Eu tive meus momentos de levá-lo muito a sério, mas no geral seus golpes eram divertidos. Eu olho para trás e não vejo nada disso de forma negativa.
— Você foi um pouco masoquista. Esse tipo de besteira era meu plano maligno desde o inicio.
— Bem, você não era exatamente tão mau como queria que eu acreditasse que era.
— E acabou que você não era tão inocente.
Nossa viagem cheia de tensão sexual pela estrada da memória chegou ao fim logo que paramos na fila do Roxy. Entramos no limite da boate escura, e Joe desapareceu nas luzes piscando em busca de algumas bebidas.
O baixo da música vibrou através de mim enquanto eu balançava para frente e para trás tentando entrar no clima, esperando por ele.
Quando ele voltou com uma cerveja e minha bebida, eu não poderia tomar o primeiro gole rápido o suficiente. Minha garganta ficou congelada do gelo picado do daiquiri. Ficamos no segundo andar, olhando para os enxames de pessoas na pista de dança, pois estávamos tomando nossas bebidas. Álcool ia ser meu melhor amigo hoje à noite.
Eu não queria ficar totalmente bêbada, mas esperava que ele fosse me ajudar a esquecer de tudo sobre amanhã.
Um bom zumbido estava começando a se desenvolver quando eu senti o aperto firme de Joe no meu pulso.
— Vamos lá.
Seus dedos roçaram a parte baixa de minhas costas quando ele me levou para baixo pelas escadas.
Eu deveria estar esperando que ele me arrastasse para a pista de dança. O que eu absolutamente não podia prever era quão ótimo dançarino ele era.
Os olhos de várias das mulheres no clube seguiam todos os seus movimentos enquanto eu descobria que o meu meio-irmão poderia dançar pra caramba.
Quem diria?
Embora não devesse realmente me surpreender que alguém que pode foder como Joe também pudesse mover o seu corpo tão bem de outras maneiras.
Eu me senti igual àquelas mulheres. Todas nós tínhamos uma coisa em comum. Todas nós queríamos um pedaço dele, e nenhuma de nós estaria recebendo qualquer coisa.
Sério. Seus movimentos eram como os de uma stripper, mas isso foi ainda mais provocante, porque eu sabia que ele não iria tirar sua roupa.
Foi realmente como um show erótico: a forma como ele movia seus quadris, a forma como sua bunda balançava ao som da música, a forma como a sua língua deslizou lentamente ao longo de seu anel labial quando ele se perdeu no ritmo.
Imagine que você está assistindo Magic Mike21, e o DVD fica preso repetindo o momento antes do início da primeira cena de strip. Isso era assistir Joe dançar.
Eu mexi o meu corpo ao som da música ao lado dele, mas ele nunca colocou as mãos em mim enquanto estávamos dançando juntos.
Em um ponto, seu hálito quente fez cócegas na minha orelha quando ele se inclinou para mim.
— Eu vou encontrar um banheiro. Fique aqui onde eu possa encontrá-la.
Após Joe me deixar sozinha, um homem vestindo uma camisa rosa começou a dançar comigo. Ele começou a falar em voz alta através da música, me perguntando coisas que eu respondi em uma só palavra.
Poucos minutos depois, senti um braço em volta da minha cintura por trás. O cheiro viciante da pele de Joe identificou-o imediatamente, eu não resisti quando ele me puxou de volta. Em seguida eu me virei para encará-lo, ele me olhava com um olhar de advertência. Ele não podia dizer nada sobre a minha dança com o homem, porque isso não seria apropriado, dada a sua própria situação.
Ele não tinha o direito de me impedir de dançar com alguém. No entanto, ele sabia que poderia fugir com isso por causa do efeito túnel do tempo que ele tinha sobre mim.
Um flashback dos textos de Joe na noite de meu encontro com
Corey todos aqueles anos atrás veio à mente.

Joe: Você nem gosta dele.
Demi: Como você sabe disso?
Joe: Porque você gosta de mim.

Uma vez que Joe me levou longe o suficiente do cara, ele me soltou. Estávamos de volta dançando ao som da música de ritmo acelerado e depois de mais uma rodada de bebidas, tornou-se ainda mais fácil se perder no clima. No espaço de uma hora, nunca paramos de dançar. Mesmo que não nos tocássemos, os olhos de Joe estavam muito fixos nos meus. A sala estava começando a balançar um pouco, e isso era um indicador de que talvez fosse hora de parar de beber.
De repente, a música mudou para a primeira música lenta da noite. Um alarme soou na minha mente. Isso não poderia acontecer. Eu balancei minha cabeça para ele me seguir para fora da pista. Comecei a andar para fora e senti a mão dele na minha. Parei e me virei para ele.
Ainda segurando minha mão, ele murmurou, — Dance comigo.
Mesmo que eu soubesse que esse ia ser o momento em que eu me desfaria completamente, balancei a cabeça e relutantemente deixei ele me puxar para ele. Ele soltou um suspiro profundo no momento em que entrei no calor de seus braços.
Fechando os olhos, eu descansei minha cabeça em seu peito e sofri com a dor que vinha crescendo dentro de mim desde o momento em que o vi pela primeira vez com Blanda. Com cada batida do seu coração, outra das minhas velhas feridas se abriu, destruindo todos os mecanismos de autoproteção que eu tinha tentado implementar ao longo destes últimos dias.
Se eu não tivesse me movido de minha posição, eu poderia ter sido capaz de passar pela música. Mas eu era uma gulosa de castigo e precisava saber se a expressão em seu rosto combinava com a intensidade de seu batimento cardíaco.
Minha bochecha lentamente deslizou fora de seu peito. Quando eu levantei minha cabeça para cima para olhar para ele, ele abaixou a sua lentamente, quase exatamente no mesmo tempo, como se ele estivesse esperando por eu olhar para ele.
O desejo nos seus olhos era explícito. Eu respirei para pegar cada respiração pesada que escapou de seus lábios. Se eu não pudesse beijá-lo,
eu queria pelo menos o gosto de cada respiração.
Então, ele tocou sua testa na minha.
Foi um gesto simples e aparentemente inocente, mas casou esse momento com a parte culminante da música, e isso foi o suficiente para mim.
Para me salvar de cair ainda mais dentro disso, eu intencionalmente repeti suas palavras para Blanda na minha cabeça.
“Eu também te amo.”
Esse. Foi. Meu. Ponto. De. Ruptura.
Eu me afastei dele e saí correndo da pista de dança.
Eu podia ouvi-lo me chamando.
— Demi, espere!
As lágrimas escorriam pelo meu rosto enquanto eu corria através do calor do clube, esbarrando em suadas pessoas bêbadas, tentando encontrar a saída. A bebida de alguém se derramou sobre mim no processo. Eu não me importava. Eu só precisava sair de lá.
Ele tinha me perdido no meio da multidão.
Uma vez que escapei da escuridão do clube, as luzes do lobby do cassino eram um contraste bem-vindo.
Corri para o elevador e apertei o botão para cima, na esperança de chegar ao meu quarto o mais rápido possível. As portas começaram a fechar pouco antes de eu ver um braço tatuado no dispositivo, forçando-as a abrir.
Sua respiração estava irregular. As portas se fecharam.
— Que porra é essa, Demi? Por que você fugiu de mim desse jeito?
— Eu só preciso voltar para o meu quarto.
— Eu não gosto disso.
Ele apertou o botão de parada, fazendo com que o elevador desse alguns solavancos.
— O que você está fazendo?
— Isso não é como eu queria que a nossa noite acabasse. Eu cruzei a linha. Eu sei disso. Eu me perdi no momento com você, e eu sinto muito. Mas nada ia acontecer porque eu não vou trair Blanda. Eu não posso fazer isso com ela.
— Eu não sou tão forte quanto você, então. Você não pode dançar comigo assim, olhar para mim desse jeito, me tocar desse jeito, se não podemos fazer nada sobre isso. E para que conste, eu não quero que você a traia!
— O que você quer?
— Eu não quero que você diga uma coisa e aja de uma forma que contradiz. Nós não temos muito tempo juntos. Eu quero que você fale comigo. Naquela noite, no velório... Você enrolou a mão em volta do meu pescoço. Parecia que por um momento você estava de volta no lugar onde paramos. Isso é como eu me sinto perto de você o tempo todo. Depois, mais tarde naquela mesmo dia, Blanda me contou o que aconteceu depois que vocês chegaram em casa.
Ele apertou os olhos.
— Exatamente o que ela te disse?
— Você estava pensando em mim? É por isso que você não pode fazer nada aquela noite?
Compreensivelmente, ele parecia chocado que eu sabia. Eu ainda não entendi por que Blanda compartilhou isso comigo.
Porque ela confiava em mim, e ela não deveria ter feito.
Lamentei dizer, mas já era tarde demais.
Ele ficou em silêncio, olhando para mim, mas parecia querer dizer alguma coisa.
— Eu quero que você me diga a verdade. — eu disse.
O olhar em seu rosto ficou irritado, como se ele tivesse perdido alguma batalha de autocontrole dentro de si mesmo.
— Você quer a verdade? Eu estava fodendo a minha namorada e não conseguia ver nada além de você. Essa é a verdade. — Ele deu alguns passos em minha direção, eu me afastei, mas ele continuou, — Eu entrei no chuveiro naquela noite, e a única maneira que eu encontrei de terminar foi imaginar que eu gozava em todo o seu lindo pescoço. Essa é a verdade.
Debrucei-me contra a parede do elevador, ele trancou seus braços em cada lado de mim e continuou:
— Você quer mais? Eu ia pedir para ela se casar comigo hoje à noite, no casamento de sua irmã. Neste momento eu deveria estar noivo, mas em vez disso eu estou em um elevador lutando contra o desejo de te apoiar contra esta parede e te foder com tanta força que eu teria que te carregar para o seu quarto.
Meu coração estava batendo fora de controle, e não estava claro qual parte do que ele tinha acabado de dizer me chocou mais.
Ele deixou cair os braços e baixou a voz.
— Tudo o que eu achava que sabia foi virado de cabeça para baixo nas últimas 48 horas. Estou questionando tudo, e eu não sei o que fazer porra. Essa. É. A. Verdade.
Ele soltou o botão de parada, e o elevador continuou subindo até o nosso andar, que era o 22 º.
Ele estava indo pedi-la em casamento.
Isso ainda estava afundando. O que foi um despertar rude de quão longe exatamente do meu alcance ele estava todo esse tempo.
As portas do elevador se abriram, e enquanto caminhávamos pelo corredor, eu simplesmente disse:
— Eu não quero mais falar. Eu preciso ficar sozinha.
Ele não protestou quando eu fui para o meu quarto sem dizer mais nada. Entristeceu-me que a nossa noite tinha sido tão curta, mas, finalmente tornou-se claro que mais tempo gasto com ele seria perigoso.
Ele estava indo pegar um avião amanhã, e simplesmente não havia tempo suficiente para resolver todos esses sentimentos.
Como eu não tinha comprado nenhum pijama, eu me envolvi em um lençol e me deitei. Devastada pela bomba da proposta que ele iria fazer, e ainda dolorosamente excitada pelo que ele me disse depois, eu sabia que o sono não estava no meu futuro hoje.
Cerca de meia hora se passou. Parecia um déjà vu quando os números digitais vermelhos do despertador me provocaram.
Meu alerta de texto soou às 2 horas da manhã.


Joe: Se eu bater à sua porta hoje à noite, não me deixe entrar.

-
21 É um filme sobre stripers masculinos.

*****

Meus amores, eu sei que deveria estar fazendo a maratona, mas acontece que meu digníssimo pai fez não sei o que no computador ontem que a internet não "recebia dados", e pra conseguir postar hoje, eu tive que restaurar o computador pra uma hora antes dele fuçar aqui, e graça a Deus eu consegui \O/
Sobre o capítulo, o que foi isso no elevador, meu senhor amado?
Estou jogada ajzksnmazx
E agora que arrumei aqui, vou voltar ao esquema de 6 comentários, um capítulo novo, ok?
Respostas aqui.
Beijos, amo vocês

24 comentários:

  1. Gente, tô chocada..... Meu, um fugindo do outro, mas vão acabar os dois juntos. O problema é, o tempo deles ta acabando, ao invés de aproveitarem e deixar o drama pra dps ne? rs
    Se ele bater, ela deixa ele entrar sim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dois teimosos. Sim, exatamente, ficam nesse lenga lenga. Pode isso, produção? Nasiosjasn
      Mas, o verdadeiro problema é: ele vai bater?
      Se cuida.
      Beijos

      Excluir
  2. Pelo amor de Deus Demi abra essa porta quando ele bater!!!! Megalouca com essa história. Posta logo .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que ele vai bater? aiushnajs
      Posto sim, meu anjo.
      Beijos <3

      Excluir
  3. mmmeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeu jesus posteeee loooooogo

    ResponderExcluir
  4. PUTAAAAAAA QUE PARIUUUU O QUE FOI ESSE CAPITULOOOOOOO? ESTOU DESMAIAAAAAAAAAAAAAAAAADA VICIAAAAAAAAAADA E QUERENDO MUITOOOOO OUTRO CAPITULOOOOO POSTAAAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que bom que você gostou, meu amor aoksopaks
      Posto sim, beijos

      Excluir
  5. quero ter um meio irmao assim porque olhaaaaaaaaaaaaaaa.... naoooo casee com a blandaaaaaaaaaaaaaaaaaa joe pelo amor de deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queremos \O/
      Se eu tivesse um Joseph Jonas como meio-irmão, socorro, porque nem Jesus na causa aojkspaks
      Beijos

      Excluir
  6. Estou simplesmente tendo um ataque de catapora.... pelo amor de Deus me diz que que ele vai bater na porta dela e ela vai abrir.... estou simplesmente enlouquecendoooooo..... posta o mais rápido possível.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita que o trem ta bravo, ataque de catapora? MORRI aisjaoijsiajs
      Quando ele bater ou se ele bater? Ops asjaoisj
      Posto sim, beijos <3

      Excluir
  7. Giovanna eu vou ficar maluca!!
    Demi, pelo o amor Deus ABRA ESSA PORTA!!!
    O tempo deles está acabando e isso não pode acabar assim!
    Eu preciso de mais, senão eu enlouqueço!!
    Posta logo!!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fica maluca não, Vi!
      Como a Demi vai abrir a porta se ele ainda não bateu? (ou nem vai bater) aoksjoiajsij brincadeira amor, vou parar de tocar o terror em vocês.
      Não vai enlouquecer não, eu não deixo aksaks
      Beijos ♥

      Excluir
  8. Loooooogico que ela tem que deixar
    Poooodta maaaais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos ver, vamos ver oiajsajs
      Posto sim, beijos <3

      Excluir
  9. Eittaaaa xovaaannaaa kkkkkkk
    Que capítulo foi esse senhor amando? To pirando aqui , Joe fodão no elevador que até arrepiei kkkkkkk
    Posta mais logo !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Segura esse forninho akjsoaijs
      Joe gostosão no elevador, chama o bombeiro.. Como resistir? aiojsoajs
      Posto, me dá uns 5 minutinhos? asjhnasn
      Beijos ♥

      Excluir
  10. Demi pelo amor de Deus abra a porta!
    O tempo deles está acabando e isso não pode acabar assim, eles tem que se resolverem logo!
    Ele ia pedir a Blanda em casamento?!!! Isso não pode acontecer
    E no elevador? Jesus, nem sei o que falar
    Posta logo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posto sim, e eu já to chorando dnv com o próximo cap, OMG :(

      Excluir
  11. NINGUÉM SAI OoO
    EU TO JOGADA NO CHÃO!
    essa cena do elevador foi tão 50 ❤❤❤
    A PORTA DO MEU QUARTO ESTA ABERTA, ESTOU ESPERANDO ANSIOSAMENTE POR JOE JONAS ❤ não faz isso comigo, pelo amor de Deus! está muito perfeito e eu quero o próximo pra ONTEM... estou tão curiosa G.G
    BEIJOS E POSTA LOGO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Jéssie, eu to muito feliz <3
      A PORTA DO MEU TAMBÉM, ESTÁ REGANHADA aoijsaoijs
      But, pelo menos pra mim, o próximo cap quebrou meu coração :(
      E eu vou postar pra AGORA.
      Segura o forninho.
      Beijos ♥

      Excluir