25.3.15

Prólogo e Capítulo Um




Verão de 2002
— Joe! Me segura! Me segura! — gritou Demi, preparando-se para cair de costas durante o exercício de confiança no acampamento do último ano do ensino fundamental.
Fazia anos que tinha uma quedinha por Joe. Agora que estava terminando o nono ano e começaria o ensino médio no outono, as coisas pareciam estar melhorando.
De pernas depiladas, novo batom rosa nos lábios e um rabo de cavalo alto, ela sabia que estava bonita. E Joe logo, logo saberia também, assim que ela caísse
(literalmente) em seus braços.
— Hã... ok — respondeu Joe, atrás dela. — Estou quase pronto.
— Ok. — Sentindo-se nervosa de repente, Demi respirou fundo algumas vezes. — Vou cair!
— Pode vir! — avisou Joe.
Demi sentiu o vento nas costas quando endireitou o corpo e se jogou para trás. Mas não parou de cair: não havia nada que a pudesse amparar. Bateu na grama com um baque e olhou para cima.
Amy Stevens enrolava uma mecha de cabelo entre os dedos, rindo de algo que Joe dizia. Aquele cara tinha a capacidade de concentração de um peixinho-dourado!
— Seu babaca! — Demi bateu com o punho no chão. — Joe? Somos parceiros, e existe um motivo para o fato de essa atividade se chamar exercício de confiança! Você deveria ter me segurado!
Ele arregalou os olhos.
— Ai, droga! Me desculpe, Demi. Amy não sabia o que era para fazer e não tinha parceiro, então eu disse que ela poderia ficar com a gente.
— Ah, mas...
— Nossa, Joe, ainda bem que me ofereci para ser sua parceira! Vamos precisar de duas pessoas para segurar essa garota. Ela parece uma baleia inchada. — Amy riu e cutucou Joe, o que fez o estômago de Demi embrulhar. Ela sabia que não era tão magra quanto Amy ou as outras garotas. Umedeceu os lábios, insegura, e sofreu a dor da rejeição que se abateu sobre ela.
Enquanto o silêncio se prolongava, sentiu as lágrimas que brotavam e um nó na garganta.
Demi olhou para ele, que estava com as bochechas um pouco vermelhas, mas Joe não disse nem uma palavra.
Ele não a defendeu. Ele não fez nada.
Talvez essa tenha sido a pior parte.
A total falta de reação.
Ele poderia ter rido da piada também. Isso ao menos deixaria Demi irritada o suficiente para socar a cara dele.
Em vez disso, Joe a olhou com pena, como se o que Amy dissera fosse verdade.
Como se concordasse com aquilo, mas não soubesse de que modo dizer isso a ela.
Demi sentiu os olhos se encherem de lágrimas, então os baixou à grama, que já lhe causava coceira.
— E aí, gente, estão prontos para o exercício?
Selena foi até eles e sorriu, deixando Demi ainda mais insegura. A única garota em quem Joe confiava era Selena. Demi e Joe compartilhavam a melhor amiga, o que era uma droga, na opinião de Demi. Fazia com que ela sempre se sentisse sobrando, como se fosse um brinquedo estranho e com defeito, que nunca se encaixava em lugar nenhum.
Joe abraçou a recém-chegada.
— Estávamos só aquecendo.
— Legal. — Selena olhou para Demi. — Vamos lá! Levante-se daí, preguiçosa!
Amy caiu na gargalhada.
— Exercício, Demi. Já ouviu falar nisso?
Selena olhou de cara feia para Amy e estendeu a mão para Demi.
— Ignore. Ela só está chateada porque seus peitos são maiores que os dela.
Revirando os olhos, Demi se levantou e deu uma última olhada na direção de Joe. Era o fim da quedinha que sentia por ele. De verdade. Afinal, que garota quer se apaixonar por um cara que não a resgata quando ela mais precisa dele?
Ela queria um homem como os que via nos filmes e na TV. Um herói de verdade, que a salvasse. Homens de verdade usavam armas e espadas para lutar pelas mulheres que amavam. No ano anterior, quando a turma assistiu ao filme Romeu e Julieta, Demi precisou esconder as lágrimas que escorriam por seu rosto durante a última cena. Era aquilo que ela queria: um homem tão apaixonado que a seguisse até o outro mundo! Na época, quando disse aquilo em voz alta, Joe a olhou como se ela fosse maluca. Bem, ele é que iria se dar mal, no final das contas! Demi encontraria o homem da sua vida! E, por ela, Joseph Jonas poderia... morrer.

Capítulo 1
Dias de hoje
— Vovó, que merda você está fazendo? — Enquanto pegava as duas malas gigantescas, a enorme bolsa Coach rosa e o que mais parecia um animal morto que por vezes andava pendurado na cabeça da avó, Joe praguejava mais uma vez.
— Olhe a língua, Joe! — Vovó Nadine ergueu os ombros e o empurrou, abrindo caminho até o guichê de passagens.
Ah, não. Não mesmo. Pelo amor de Deus, não! Joe olhou ao redor à procura de Aileen, sua última conquista amorosa, que o acompanhara na festa de noivado de seu irmão, Nick.
— Sim, preciso de uma passagem só de ida — anunciou vovó em voz alta, dirigindo-se à atendente da companhia aérea Alaska Airlines. Joe assistia à cena com um misto de horror e pânico enquanto a avó comprava um assento no mesmo voo dele. Tomara que o cartão seja recusado. Tomara. Tomara.
— Aqui está — disse a atendente maligna ao entregar o cartão de embarque e sorrir. Joe a encarou, irritado.
Depois encarou a avó.
— Não. — Ele balançou a cabeça quando vovó Nadine se aproximou, risonha. — Você não vai — sustentou Joe. E cruzou os braços, firme.
— Vou, sim. — Vovó sacudiu o cartão de embarque bem na cara dele e sorriu. — Agora pegue as minhas malas.
— Mas...
— Joey? — Aileen foi até ele, quase desfilando.
Vestindo uma saia do tamanho que não deveria ser permitido em lugares públicos, especialmente em aeroportos, ela ajeitou o penteado e parou ao seu lado. O cabelo tingido de loiro se mantinha no lugar com o uso de ao menos duas latas de spray fixador e, a julgar por sua incapacidade de andar em linha reta, Aileen ainda trazia a embriaguez da noite anterior.
Vovó abriu um sorriso.
— Que maravilha! Parece que sua vagabunda chegou.
Joe grunhiu e cobriu o rosto com as mãos. Não tinha como sair dessa. Sua avó acabaria fazendo com que ele levasse um tiro.
Terra da vingança feminina, aqui vou eu.
— O que você disse? — Aileen colocou as mãos na cintura e balançou a cabeça para vovó de um jeito estranho, quase caindo dos saltos. Ah, aquilo não era bom! Não era nada bom.
Vovó deu um tapinha simpático no braço da jovem.
— Queridinha, sou eu que preciso de aparelho auditivo, não você. Acabei de chamá-la de vagabunda. Quer que eu soletre? — A velha senhora cutucou Joe. — De onde saiu essa? Da feira de empregos para nível médio? — Então, vovó começou a soletrar a plenos pulmões: — V-A-G-A-B-U-N-D-A.
Ela estava mesmo soletrando “vagabunda” em um aeroporto internacional? E ainda por cima para a namorada dele? Ou melhor, caso? O que Aileen era, afinal?
Droga, ele nem sabia o sobrenome dela!
O que devia ser um mau sinal.
— Pois saiba que...
— Joe, estou com fome. Me leve para comer. — Vovó enlaçou o braço no dele e começou a puxá-lo em direção aos seguranças com mais força do que deveria ter uma mulher de 86 anos.
— Mas e eu? — Atrás dos dois, Aileen fez beicinho.
Vovó parou de andar e se virou.
— Queridinha, tenho certeza de que você é capaz de encontrar outra excelente distração até a hora do voo. Este aqui já tem dona.
Aileen bufou.
— Não achei que seu gosto fosse tão duvidoso — disse para Joe.
Ele abriu a boca para explicar “Essa é a minha avó”.
Porém, antes que tivesse tempo de falar, a avó lhe deu um grande beijo na bochecha e beliscou seu traseiro.
— Ah, queridinha! Você nem imagina do que esse aqui gosta! — E deu uma piscadela.
Deus do céu! Vovó tinha acabado de piscar e sugerir que Joe era seu... ele nem conseguia concluir o pensamento. Horrorizado, viu os olhos de Aileen se arregalarem. Abriu a boca para responder, mas a avó lhe deu um tapa na bunda que o empurrou na direção contrária.
Seu carma estava finalmente acertando as contas. E na forma de uma mulher de 86 anos com batom nos dentes.
Mas que merda!

*****

Eu to muito animada com essa fic, então resolvi postar o prólogo e o primeiro capítulo de uma vez. Espero que gostem.. O que acharam da vovó?
Eu amo ela e, só pra constar, ela vai aprontar muito, asklmaoks
Beijos, amo vcs 
Respostas aqui.

16 comentários:

  1. Ameei o começo....... já sou fã de carteirinha da vovó kkkkkkkk já vi que vai ser bem divertida..... posta mais por favor!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vovó é a estrela dessa fic, literalmente azkjnakjx
      Posto, anjo.
      Bjs <3

      Excluir
  2. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK EU TÔ É MORTA COM ESSA FIC!!
    Que vovó maravilhosa é essa??? Quase chorei de rir da cena no aeroporto.
    Tomara que a vovó e Demi aprontem muito, tenho intuição de que as duas vão ser carne e unha...
    Só pra constar: Odiei essa Amy e odiei mais ainda Joe, por ele não ter defendido Demi... Tomara que ele sofra correndo atrás dela HAHAHA.
    Continua amor, beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vovó e a Demi vão abusar do Joe, tadinho akzmalisj
      Que bom que você gostou <3
      Continuo, amor.
      Beijos ♥

      Excluir
  3. Já gostei da vovó,pelo jeito vamos dar muita risada se depender dela...
    Posta logoooooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode apostar que vão mesmo azksmjxn
      Posto, bjs ♥

      Excluir
  4. Cara vovó Nadine é meu novo crush quero ela pra mim kkkkk. To chorando de rir aqui do que a vovó falou pra Aileen no aeroporto, só quero ver o que diabos ela vai aprontar na fic to morta com esse capitulo.
    Posta mais benhê, beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, vovó Nadine melhor pessoa aklmaklm <3
      Posto sim.. Beijo ♥

      Excluir
  5. eu estou rindo até agora, socorro!
    desculpa o sumiço, aconteceu tanta coisa :( mas estou tentando voltar ao poucos...
    simplesmente amei! ❤ já estou ansiosa por mais dessa perfeição. bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina, eu entendo, jess, eu vi no seu blog :(
      Awn, que bom que você gostou <3
      Já, já voou postar o próximo aksmjs
      Se cuida, beijos ❤

      Excluir